Economia | campos de aplicação da economia

Campos de aplicação da economia

A economia tem inúmeros campos de estudo, abordando temáticas específicas. Os códigos de classificação JEL constituem um sistema de classificação dos assuntos em economia muito usado em publicações da área.

Economia aplicada ao poder público

A economia política junta economia, legislação e ciência política para explicar como as instituições políticas e o sistema económico (capitalista, socialista ou misto) interagem. Estuda questões como impacto na política seguida pelos governos de factores como monopólios, comportamento para obtenção de rendimento e externalidades.[56] Para o prémio Nobel da economia Edmund Phelps "a economia política é o estudo das estrutras alternativas de rendimentos entre as quais a sociedade pode - e deve - escolher: como os mecanismos de um dado sistema, os impostos, subsídios, obrigações, deveres etc. atuam sobre os indivíduos e até que ponto funcionam bem ou mal?".[57]

A economia pública ocupa-se do sector produtor de bens públicos e é frequentemente considerado um ramo da economia cujo objeto é o fornecimento de bens coletivos gratuitos cujos custos são financiados através de impostos.

De forma mais geral, integra também a produção de bens de mercado por empresas públicas. Estuda também as políticas que um Estado deve conduzir para promover o desenvolvimento económico e o bem-estar da população e os problemas de desigualdade social e redistribuição da riqueza.

Finanças públicas é o ramo da economia que lida com os gastos e receitas das entidades do setor público, geralmente o governo. Aborda questões como incidência fiscal (quem realmente paga um imposto), análise custo-benefício de programas do governo, efeitos na eficiência econômica e distribuição de renda de diferentes tipos de gastos e políticas fiscais. Essa última, um aspecto da teoria da escolha pública, modela o comportamento do setor público de forma análoga à microeconomia, envolvendo interações de eleitores, políticos e burocratas interessados em si mesmos.[58]

A economia do bem-estar é um ramo normativo da economia que usa técnicas da microeconomia para determinar a eficiência de alocação e a distribuição de renda que lhe está associada. Visa medir o bem-estar social examinando as atividades econômicas dos indivíduos que compõem a sociedade.[59]

A análise econômica do direito (Economic Analysis of Law ou Law and Economics em inglês) é a disciplina que procura explicar os fenómenos jurídicos através de métodos e conceitos da ciência económica. Usa de conceito econômicos para explicar os efeitos de normas legais a fim de determinar ou prever se serão economicamente eficientes.[60][61]

São feitas críticas à intervenção pública. Para os economistas da teoria da escolha pública, os políticos e funcionários procuram o seu interesse individual e não o interesse geral. os primeiros procuram ser reeleitos, e os últimos procurar melhorar os seus rendimentos e poderes.

A busca de renda (do inglês rent-seeking) retrata o comportamento de indivíduos e organizações que procuram obter rendimentos através de regulamentação que lhe seja favorável, ao invés de o conseguir através de uma atividade realmente criadora de riqueza. Por exemplo, estudos neste domínio evidenciam a existência de esforços para assegurar situações de monopólio.

Economia aplicada à empresa

A economia industrial, também conhecida nos Estados Unidos como organização industrial, estuda o comportamento estratégico das empresas, a estrutura dos mercados e suas interações. As estruturas comuns do mercado incluem competição perfeita, competição monopolística, várias formas de oligopólio e monopólio.[62]

A economia gerencial aplica análise microeconômica para especificar decisões nas organizações. Ela se aproveita pesadamente de métodos quantitativos como pesquisa operacional e programação e também de métodos estatísticos como a regressão ausentes a certeza e informação perfeita. Um tema unificador é a tentativa de otimizar decisões de negócios, inclusive minimização de custo por unidade e maximização de lucro, dados os objetivos da firma e limitações impostas pela tecnologia e condições de mercado.[63][64]

Economia aplicada a um domínio particular

Economia individual

Segundo alguns autores, as necessidades do ser humano como indivíduo, tais como se alimentar, se abrigar e até mesmo respirar, exigem consumo de produtos conseguidos com uma atividade econômica, nesse caso chamada de "Economia Individual". Os extremos são os exemplos históricos ou literários clássicos como o de Santo Antão que viveu numa caverna do deserto da Arábia e que plantava trigo e fabricava pão para se sustentar; e de Robinson Crusoé que praticou várias atividades econômicas para se manter enquanto esteve isolado numa ilha oceânica. Outros autores, como Oscar Dias Corrêa, preferem não reconhecer tais atividades como econômicas ou pertencentes ao estudo da Economia [65].

Economia familiar

Nas famílias primitivas autossuficientes já se identificavam as diversas fases da Economia: o produto de todos (da caça, pesca, plantação e colheita) era distribuído pelos chefes da família e consumido. O grupo necessitava de um planejamento rudimentar das atividades, que ficava a cargo do chefe familiar que o aplicava de forma autoritária e que, além de distribuir as atividades, podia também racionar o consumo [66].

Economia internacional

O comércio internacional estuda os determinantes dos fluxos de bens e serviços através das fronteiras internacionais. Também estuda a quantidade e forma de distribuição dos ganhos com o comércio.

Aplicações em política incluem a capacidade de estimar os efeitos da alteração de taxas alfandegárias e quotas de comércio.

A primeira teoria de comércio internacional (teoria clássica de comércio internacional) foi formulada no início do século XIX por David Ricardo, também sendo conhecida por Teoria das Vantagens Comparativas ou Princípio das Vantagens Comparativas.

Finanças internacionais é uma área de estudo da macroeconomia que estuda os fluxos de capital através das fronteiras internacionais e os efeitos desses movimentos nas taxas de câmbio. O aumento do comércio de bens, serviços e capitais entre países é um dos maiores efeitos da globalização contemporânea.[67][68][69]

Mapa do mundo com vários países pintados em cores distintas.
mapa do mundo mostrando países por PIB (PPP) per capita.

A área de estudo da economia do desenvolvimento aborda os aspetos económicos do processo de desenvolvimento nos países em vias de desenvolvimento, focando na mudança estrutural, pobreza e crescimento económico. As abordagens à economia do desenvolvimento incorporam frequentemente fatores sociais e políticos.[50][70]

Sistemas económicos é o ramo da economia que estuda os métodos e instituições através dos quais as sociedades determinam a propriedade, direção, e alocação dos recursos económicos. O sistema económico de uma sociedade é a unidade de análise.

Os extremos do espetro de sistema económicos são as economias planificadas e os sistemas capitalistas, onde a maioria da produção é efetuada, respetivamente, em organizações detidas pelo estado ou pela iniciativa privada.

Como meio termo temos as economias mistas. Um elemento comum a qualquer dos sistemas é a interação entre o poder económico e político, largamente descrito pela economia política.

Economia agrícola

Ver artigo principal: Economia agrícola

A economia da agricultura é uma das mais antigas e mais bem estabelecidas áreas da economia. É o estudo das forças econômicas que afetam o setor agrícola e o impacto do setor agrícola no resto da economia. É uma área da economia que, graças à necessidade de se aplicar a teoria microeconômica a situações complexas do mundo real, tem contribuído com avanços importantes de aplicação mais geral; o papel do risco e da incerteza, o comportamento das famílias e as ligações entre direito de propriedade e incentivos. Mais recentemente áreas como o comércio internacional de commodities e meio ambiente tem recebido grande atenção.[71]

Economia da informação

Ver artigo principal: economia da informação

A economia da informação examina como a informação (ou sua falta) afeta o processo decisório econômico. Um importante foco da disciplina é o conceito de assimetria de informação, onde um participante possui mais ou melhor informação que a outra. A existência da assimetria de informação abre espaço para o surgimento de problemas como risco moral e seleção adversa estudada na teoria dos contratos. A economia da informação tem relevância em muitas áreas como finanças, seguros, direito, e processo decisório em condições de risco e incerteza.

Economia do trabalho

Ver artigo principal: Economia do trabalho

A economia do trabalho procura entender o funcionamento do mercado e a sua dinâmica relacionada ao trabalho. Os mercados de trabalho funcionam através das interações entre trabalhadores e empregadores. A economia do trabalho observa os ofertantes de força-de-trabalho (trabalhadores), seus demandantes (empregadores) e tenta entender os padrões resultantes de salários e outras rendas do trabalho, de emprego e desemprego. Usos práticos incluem a assistência na formulação de políticas de pleno emprego.[72]