Tratado de Tientsin

  • text document with red question mark.svg
    este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde junho de 2019). ajude a este artigo inserindo fontes.
    momento da assinatura do tratado

    vários documentos são referidos como "tratado de tien-tsin" ou tratado de tianjin (chinês tradicional: 天津 条约; chinês simplificado: 天津 条约, pinyin: tianjin tiaoyue) foram assinados em tianjin em junho de 1858, terminando a primeira parte da segunda guerra do Ópio (1856-1860). frança, reino unido, rússia e estados unidos foram as partes envolvidas. esses tratados abriram mais as portas chinesas para os estrangeiros (ver: tratado de nanquim), permitiram a estadia dos diplomatas estrangeiros em pequim, legalizaram a importação de ópio, permitiram a atividade missionária cristã e concederam a liberdade religiosa aos cristãos (incluindo os cristãos chineses).

    estes tratados foram ratificados pelo imperador da china na convenção de pequim, em 1860, após o fim da guerra.

    referências

  • ligações externas

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde junho de 2019). Ajude a este artigo inserindo fontes.
Momento da assinatura do tratado

Vários documentos são referidos como "Tratado de Tien-Tsin" ou Tratado de Tianjin (chinês tradicional: 天津 条约; chinês simplificado: 天津 条约, Pinyin: Tianjin Tiaoyue) foram assinados em Tianjin em junho de 1858, terminando a primeira parte da Segunda Guerra do Ópio (1856-1860). França, Reino Unido, Rússia e Estados Unidos foram as partes envolvidas. Esses tratados abriram mais as portas chinesas para os estrangeiros (ver: Tratado de Nanquim), permitiram a estadia dos diplomatas estrangeiros em Pequim, legalizaram a importação de ópio, permitiram a atividade missionária cristã e concederam a liberdade religiosa aos cristãos (incluindo os cristãos chineses).

Estes tratados foram ratificados pelo Imperador da China na Convenção de Pequim, em 1860, após o fim da guerra.

Referências

  • William C Johnstone. "International Relations: The Status of Foreign Concessions and Settlements in the Treaty Port of China." American Political Science Review 31.5 (Oct. 1937): 942-8.
  • Bloch, Kurt. "The Basic Conflict Over Foreign Concessions in China." Far Eastern Survey 8.10 (May 1939): 111-6.
  • Pictures of the "Treaty Temple" in Tianjin and Texts of the treaties, Wason Library, Cornell University [1]