SpaceX

SpaceX
SpaceX-Logo.svg
SpaceX Headquarters, Hawthorne, CA.jpg

A sede da SpaceX, em Hawthorne, na Califórnia.
Razão socialSpace Exploration Technologies Corporation
TipoPrivada
IndústriaAerospacial
Fundação06 de maio de 2002 (15 anos)[1]
Fundador(es)Elon Musk
SedeHawthorne, Califórnia, EUA
Pessoas-chaveElon Musk
(CEO e CTO)
Gwynne Shotwell
(Presidente e COO)
Tom Mueller
(CTO de Propulsão)
Empregadosaprox. 5,000[2]
(Fevereiro de 2016)
ProdutosFalcon 9
Dragon
Website oficialwww.spacex.com

Space Exploration Technologies Corp., cujo nome comercial é SpaceX, é uma empresa estadunidense de sistemas aeroespaciais e de serviços de transporte espacial sediada em Hawthorne, Califórnia. Foi fundada em 2002 pelo empresário Elon Musk com o objetivo de reduzir os custos de transporte espacial e permitir a colonização de Marte.[6] A SpaceX desenvolveu desde então a família de veículos de lançamento Falcon e a família de nave espacial Dragon, que atualmente entregam cargas úteis na órbita terrestre.

As conquistas da SpaceX incluem o primeiro foguete de combustível líquido com financiamento privado a chegar à órbita da Terra (Falcon 1 em 2008);[7] a primeira empresa com financiamento privado a lançar, orbitar e recuperar uma nave espacial (Dragon em 2010); a primeira empresa privada a enviar uma nave espacial para a Estação Espacial Internacional (EEI) (Dragon em 2012);[8] o primeiro pouso propulsivo de um foguete orbital (Falcon 9 em 2015); e a primeira reutilização de um foguete orbital (Falcon 9 em 2017). Em março de 2017, a SpaceX já havia transportado dez missões para a EEI sob um contrato de reabastecimento de cargas espaciais.[9] A NASA também concedeu à SpaceX um novo contrato de desenvolvimento em 2011 para demonstrar uma Dragon que seria usada para transportar astronautas para a EEI e devolvê-los com segurança à Terra.[10]

A SpaceX anunciou em 2011 que estava começando um programa de desenvolvimento de tecnologia de lançamento de foguetes reutilizáveis com fundos privados. Em dezembro de 2015, o primeiro estágio de um foguete da empresa pousou de volta em uma plataforma de aterrissagem perto do local de lançamento, onde realizou com sucesso um pouso vertical. Esta foi a primeira vez que um foguete realizou algo do tipo após um voo orbital.[11] Em abril de 2016, com o lançamento da CRS-8, o SpaceX conseguiu, com sucesso, aterrar verticalmente um primeiro estágio em uma plataforma de aterrissagem flutuante.[12] Em maio de 2016, a SpaceX novamente conseguiu aterrissar um primeiro estágio, mas durante uma missão de órbita de transferência geoestacionária significativamente mais energética.[13] Em março de 2017, a SpaceX tornou-se a primeira a relançar e aterrissar com sucesso o primeiro estágio de um foguete orbital.[14]

Em setembro de 2016, o CEO Elon Musk revelou a arquitetura da missão do programa do Sistema de Transporte Interplanetário, uma ambiciosa iniciativa privada para desenvolver tecnologia para uso em voos espaciais interplanetários tripulados e que, se houver demanda, poderia levar a assentamentos humanos sustentáveis ​​em Marte até a longo prazo. Este é o objetivo principal para o qual este sistema foi projetado.[15][16] Em 2017, Elon Musk anunciou que a empresa tinha sido contratada por dois indivíduos particulares para enviá-los em uma nave espacial Dragon em uma trajetória de retorno livre em torno da Lua, o que poderia se tornar a primeira instância do turismo espacial.[17][18][19]

História

Elon Musk no Centro de Controle de Missões da SpaceX.
Funcionários da SpaceX na sede da empresa.

Em 2001, Elon Musk criou o conceito do Mars Oasis, um projeto para pousar uma estufa experimental em miniatura e cultivar plantas em Marte, no que "seria o mais distante que a vida já tenha viajado",[20] em uma tentativa de recuperar o interesse público pela exploração espacial e aumentar o orçamento da NASA.[21][22][23] Musk tentou comprar foguetes baratos da Rússia, mas voltou com as mãos vazias depois de não encontrarem foguetes por um preço acessível.[24][25]

No voo para casa, Musk percebeu que ele poderia começar uma empresa que poderia construir os foguetes acessíveis que ele precisava.[25] De acordo com o investidor Tesla e da SpaceX, Steve Jurvetson,[26] Musk calculou que as matérias-primas para construir um foguete eram apenas 3% do preço de venda. Ao aplicar a integração vertical,[24] ao produzir cerca de 85% do hardware de lançamento interno[27][28] e com uma abordagem modular da engenharia de software, a SpaceX poderia reduzir o preço de lançamento em dez vezes e ainda se beneficiar com uma margem bruta de 70%.[29] A SpaceX começou com o menor foguete orbital útil, em vez de construir um veículo de lançamento mais complexo e mais arriscado, o que poderia ter fracassado e levado a empresa à falência.[30]

No início de 2002, Musk procurava pessoal capacitado para sua nova empresa espacial, que logo seria chamada SpaceX. Musk se aproximou do engenheiro de foguetes Tom Mueller (agora o CTO de Propulsão da SpaceX), que concordaou em trabalhar para Musk. Assim nasceu a SpaceX.[31] A empresa teve sua primeira sede em um armazém em El Segundo, na Califórnia. A SpaceX cresceu rapidamente desde que foi fundada em 2002, passando de 160 funcionários em novembro de 2005, 1.100 em 2010,[32][33] 3.800 em outubro de 2013[34] e cerca de 5.000 no final de 2015.[2][35] Em abril de 2017, a empresa já tinha cerca de 6.000 funcionários.[36] Em 2016, Musk deu um discurso no Congresso Internacional de Astronáutica, onde afirmou que a SpaceX só podia contratar estadunidenses devido a funcionários que trabalhavam em "tecnologia de armas avançadas".[37]

No final de ano de 2012, a SpaceX tinha mais de 40 lançamentos contratados, o que representava cerca de 4 bilhões de dólares em receita. Os contratos incluíam clientes comerciais e governamentais (NASA/DOD). Em 2013, a SpaceX tinha um total de 50 lançamentos futuros sob contrato; dois terços deles eram para clientes comerciais.[38][39] No final de 2013, a mídia da indústria espacial começou a comentar o fenômeno que a empresa estava subestimando as principais concorrentes no mercado de lançamento comercial - o Ariane 5 e o Proton-M[40] - visto que a SpaceX já tinha pelo menos 10 voos em órbitas geoestacionárias.[39]

Em setembro de 2017, Elon Musk lançou as primeiras imagens protótias de seus trajes espaciais para serem usadas em futuras missões. O traje está em fase de testes e é projetado para lidar com a pressão de 2 ATM no vácuo.[41]