Política de preços mínimos

O preço mínimo é uma imposição governamental ou de grupos privados, através de regulações ou impostos, que tem como fim o estabelecimento de uma remuneração mínima a uma mercadoria qualquer. Para um preço mínimo ser eficaz, ele obrigatoriamente deve ser maior do que o preço de equilíbrio do mercado.

Eficácia do preço-piso

Na linha tracejada verde está um preço mínimo ineficaz, abaixo do preço de equilíbrio.

O preço-piso deve ser fixado acima do preço de equilíbrio de livre mercado. No gráfico à direita, a linha tracejada verde representa um preço mínimo fixado abaixo do preço de livre mercado. Neste caso, o piso não tem efeito prático. O governo ou a empresa ordenou um preço mínimo, mas o mercado já tem um preço mais elevado.

A fixação de um piso aos preços do mercado traz consigo inúmeros efeitos, mas o principal é a redução do excedente do consumidor. Juntos, esses efeitos significam que agora há um excesso de oferta (conhecido como superávit) do produto no mercado. Para manter o patamar de preços a longo prazo, o governo poderá ter de tomar medidas para eliminar esse excedente que o produtor está acumulando.

O salário mínimo

Um exemplo histórico atual de um piso de preços, são as leis de salário mínimo, leis especificando o menor salário que uma empresa deve pagar a um trabalhador (o trabalhador, no caso específico, é um fornecedores de mão de obra e a empresa é a consumidora). Quando o salário mínimo é superior ao preço de equilíbrio de mercado, haverá desemprego para os trabalhadores sem qualificação. O salário mínimo acima do salário de equilíbrio induz os empregadores a contratar menos trabalhadores, bem como pressionar mais pessoas a entrarem no mercado de trabalho formando um exército de reserva, o resultado é um excesso de mão de obra disponível. O salário de equilíbrio para o trabalhador seria definido pela habilidade e capacitação do mesmo, juntamente com as condições do mercado.