Permiano
English: Permian

Período Permiano
298.9–252.17 milhões de anos atrás
280 Ma plate tectonic reconstruction.png
Teor médio de o2 atmosférico durante o períodoca. 23 Vol %[1]
(115 % do nível atual)
Teor médio do CO2 atmosférico durante o períodoca. 900 ppm[2]
(3 vezes o nível pré-industrial)
Temperatura média da superfície durante o períodoca. 16 °C[3]
(2 °C acima do nível atual)
Nível do mar (acima dos dias de hoje)Relativamente constante a 60 m no Permiano inicial; diminuindo fortemente durante o Permiano médio até a uns constantes 20 m no Permiano tardio.[4]
Período Permiano[5]
view •  • 
-300 —
-295 —
-290 —
-285 —
-280 —
-275 —
-270 —
-265 —
-260 —
-255 —
-250 —
Eventos-chave do período Permiano.
Escala do eixo: milhões de anos atrás.

O Permiano ou Pérmico é um período geológico que se estende de 298,9 ± 0,15 a 252,17 ± 0,06 milhões de anos. [7] É o último período da era Paleozoica, após o período Carbonífero e antes do período Triássico do Mesozoico. O termo foi introduzido pela primeira vez em 1841 pelo Roderick Murchison, em homenagem a Krai de Perm, na Rússia, onde estratos do período foram originalmente encontrados.

O Permiano testemunhou a diversificação dos amniotas iniciais até os grupos ancestrais dos mamíferos, tartarugas, lepidossauros e arcossauros. O mundo na época era dominada por um único supercontinente conhecido como Pangea, cercado por um oceano global chamado Pantalassa. As florestas extensas do Carbonífero haviam desaparecido, deixando para trás vastas regiões de deserto árido no interior continental. Répteis, que poderia lidar melhor com essas condições mais secas, predominaram no lugar de seus ancestrais os anfíbios. O período Permiano (e a era Paleozoica) terminou com a maior extinção em massa na história do planeta Terra, em que cerca de 90% das espécies marinhas e 70% das espécies terrestres desapareceram. [8]

No Brasil, a formação Irati pertence a este período. No Sudoeste do Rio Grande do Sul há uma área com fósseis do Permiano que datam a 270 milhões de anos. Merecendo destaque para o chamado Mesosaurus brasiliensis, um pequeno réptil aquático encontrado pelo geólogo estadunidense Israel Charles White, na cidade de Irati, Paraná, em 1908, e cuja similaridade com a espécie sul-africana do fóssil ajudou nos argumentos da teoria da deriva continental do cientista alemão Alfred Wegener.Encontrava-se apenas num período de transgessão marinha.

Descoberta

O termo Permiano foi introduzido na geologia em 1841 por Roderick Murchison, presidente da Sociedade Geológica de Londres, que identificou estratos típicos em extensas áreas de explorações russas realizadas com Edouard de Verneuil. [9] Murchison afirmou em 1841 que ele chamou o seu "Sistema de Permiano", em homenagem ao antigo reino de Permia, e não por causa da pequena cidade de Perm, como geralmente é assumido. A região encontra-se agora na Krai de Perm, na Rússia.