Palácio da Bolsa

Palácio da Bolsa
Estilo dominanteNeoclássico
ArquitetoJoaquim da Costa Lima
Início da construção1842 (primeira pedra)
1862 (Salão Árabe)
Inauguração1848 (ainda por concluir)
1880 (Salão Árabe)
Proprietário inicialAssociação Comercial do Porto
Função inicialAdministrativa e financeira (bolsa)
Função atualAdministrativa e cultural
Visitantes250 000 (2014)
Websitepalaciodabolsa.pt
Património Nacional
Classificação Monumento Nacional
Data1982
DGPC70402
SIPA5527
Geografia
PaísPortugal
CidadePorto
Coordenadas41° 8' 29" N 8° 36' 55" O

O Palácio da Bolsa, ou Palácio da Associação Comercial do Porto, na cidade do Porto, em Portugal, começou a ser construído em Outubro de 1842, em virtude do encerramento da Casa da Bolsa do Comércio, o que obrigou temporariamente os comerciantes portuenses a discutirem os seus negócios na Rua dos Ingleses, em pleno ar livre.

Com uma mistura de estilos arquitectónicos o edifício apresenta em todo o seu esplendor, traços do neoclássico oitocentista, arquitectura toscana, assim como o neopaladiano inglês.

Sede da Associação Comercial do Porto, serve agora para os mais diversos eventos culturais, sociais e políticos da cidade. O Salão Árabe detém o maior destaque de todas as salas do palácio devido, como o nome indica, a estuques do século XIX legendados a ouro com caracteres arábicos que preenchem as paredes e tecto da sala. É neste salão que tem lugar as homenagens a chefes-de-estado que visitam a cidade.

Na Sala dos Retratos encontra-se uma famosa mesa do entalhador Zeferino José Pinto que levou três anos a ser construída, revelando-se um "exemplar altamente qualificado em todas as exposições internacionais a que concorreu".

Visitas turísticas

O Palácio da Bolsa está aberto para Visitas turísticas pagas, sendo um dos edifícios patrimoniais mais procurados da cidade do Porto.

  • 2013 - Em 2013, mais de 220 mil turistas escolheram o Palácio da Bolsa como local de paragem obrigatória. Foram sobretudo estrangeiros, provenientes de França, Espanha, Alemanha e Brasil, mas também Tailândia, Indonésia, Malásia ou Singapura totalizando mais de 40 países.

O número de visitantes portugueses (perto de 29 mil) foi ultrapassado pelos franceses (que passaram os 46 mil) em 2013.[1]

  • 2014 - Em 2014, o monumento reuniu mais de 250 mil turistas, o que representa um acréscimo de 15% face ao ano de 2013. O palácio foi sobretudo visitado por turistas estrangeiros, com destaque para os oriundos de França, Espanha, Alemanha, Brasil e Itália, representando os portugueses cerca de um quarto das presenças.

O número de visitantes portugueses, que ultrapassou os 68 mil, registou um crescimento de 146% face aos 27 mil do ano anterior, ultrapassando os franceses (37 mil) e os espanhóis (30 mil) no ‘ranking’ dos países de origem dos turistas que visitaram o palácio.