Língua russa

Russo (Русский язык)
Pronúncia:IPA[ˈruskʲɪj sjɪˈzɨk]
Falado em: Armênia
 Azerbaijão
 Bielorrússia
Cazaquistão
 Estónia
 Geórgia
 Letônia
 Lituânia
 Moldávia
 Quirguistão
 Rússia
Turquemenistão
 Ucrânia
 Uzbequistão
Comunidades de emigrantes, especificamente:
 Alemanha
 Austrália
 Brasil
 Canadá
 Estados Unidos
 Israel
Região: Europa Oriental e Ásia Setentrional:
Moscou, São Petersburgo, Quieve, Minsque, Transnístria, Odessa, Crimeia, Donetsk, Riga, Alma-Ata, Cazã, Caliningrado, Astracã, Krasnoyarsk, Vladivostok, Novosibirsk, Rostov do Don, Chechênia, Iacútia, Carélia, Oriol, Mordóvia, Samara, Cabárdia-Balcária, Chita, entre outros.
Total de falantes:Nativos: 150 milhões (2010)[1]
Total: 260 milhões (nativos e língua secundária, 2012)[2]
Posição: 4–7[3]
Família:Indo-europeia
 Balto-eslava
  Eslava
   Eslava oriental
    Russo
Escrita: Cirílica (variante russa)
Estatuto oficial
Língua oficial de:  Rússia
 Bielorrússia[4]
Cazaquistão[5]
 Quirguistão[6]
 Moldávia:

Estados parcialmente reconhecidos:
 Abecásia[8][9]
 Ossétia do Sul[8][10]
Organizações:
Nações Unidas

CEI
CEEA
OTSC
GUAM[11]
OCX
OSCE logo.svg OSCE
STA
ISO english logo.svg ISO

Regulado por: Instituto da Língua Russa,[12] na Academia Russa de Ciências
Códigos de língua
ISO 639-1:ru
ISO 639-2:rus
ISO 639-3: rus
Países em que o russo é a língua oficial (verde escuro) e/ou tem status elevado (verde claro).

O russo (русский язык, transl. russkij jazyk ou russkiy yazyk, IPA[ˈruskʲɪj jɪˈzɨk], lit. "língua russa") é uma língua eslava falada como língua materna na Rússia, Bielorrússia, Cazaquistão, Azerbaijão, Quirguistão, Moldávia e em diversos outros países que formavam as repúblicas constituintes da extinta União Soviética.[13] Embora sem carácter oficial após o fim da União Soviética, é utilizada amplamente em países como Letónia, Ucrânia, e Estónia.

Idioma mais difundido, em termos geográficos, de toda a Eurásia, a mais falada das línguas eslavas e a língua materna mais falada na Europa, o russo pertence à família linguística indo-europeia, e é um dos três (ou quatro, com a inclusão do russino) membros ainda existentes das línguas eslavas orientais; foram encontrados exemplos de inscrições feitas no antigo eslavônico oriental que datam do século X. O idioma é atualmente uma das seis línguas oficiais da Organização das Nações Unidas.

A literatura russa é particularmente rica e inclui célebres escritores de diversos períodos, como Alexandre Pushkin, Nikolai Gogol, Fiodor Dostoiévski, Liev Tolstói, Anton Tchekhov, Máximo Gorki, Vladimir Maiakovski e Boris Pasternak. Por conta da grande influência da União Soviética e Rússia nas ciências, uma grande quantidade de textos científicos também é encontrada em russo, que atualmente é a segunda língua mais popular da Internet.[14][15]

O russo distingue entre os fonemas consonantais que têm articulação secundária palatal e aqueles que não têm, os chamados sons suaves e duros. Esta distinção pode ser encontrada em quase todas as consoantes, e é uma das características mais marcantes do idioma. Outro aspecto importante é a redução das vogais átonas, semelhante a outros idiomas ocidentais, como o inglês. O acento tônico, que não é regular, não costuma ser indicado ortograficamente,[16] embora um acento agudo opcional possa ser utilizado para indicar o acento tônico, com a finalidade de distinguir palavras de grafia idêntica ou indicar a pronúncia correta de palavras ou nomes pouco comuns. Outra característica relevante é o papel essencial e imprescindível exercido pela complexa gramática na língua. A escrita destaca-se pelo uso do alfabeto cirílico.

Classificação

O russo é uma língua eslava, pertencente à família linguística indo-europeia. Do ponto de vista do idioma falado, seus parentes mais próximos são o ucraniano e o bielorrusso, outras duas línguas nacionais pertencentes ao grupo eslavas orientais. Em diversos locais no leste e sul da Ucrânia e por toda a Bielorrússia estes idiomas são falados de maneira intercambiável, e em determinadas regiões o bilinguismo tradicional resultou numa mistura de idiomas, resultando por exemplo no surjyk falado no leste da Ucrânia e o trasianka da Bielorrússia. Acredita-se que um dialeto da Antiga Novgorod, também pertencente ao grupo eslavo oriental, e desaparecido durante o século XV ou XVI, teria desempenhado um papel importante na formação da língua russa atual. Os idiomas mais próximos atualmente deste dialeto seriam as línguas eslavas ocidentais, especialmente o polonês e o eslovaco, seguidos pelas línguas eslavas meridionais - embora o búlgaro, em especial, tenha uma gramática relativamente diferente.

O vocabulário, com destaque a palavras abstratas e literárias, princípios de formação de palavras e, até certo ponto, inflexões e o estilo literário do russo também foram influenciados pelo eslavônico eclesiástico, uma forma desenvolvida de um ramo do eslavo meridional, o antigo eslavônico eclesiástico, utilizado pela Igreja Ortodoxa Russa. As formas eslavas orientais, no entanto, tendem a ser usadas exclusivamente nos diversos dialetos que passam por um processo rápido de declínio. Em alguns casos, tanto a forma eslava oriental quanto a eslavônica eclesiástica estão em uso, embora com significados diferentes.

A fonologia e a sintaxe do russo, especialmente em seus dialetos mais setentrionais, também foram influenciadas - até certo ponto - pelas diversas línguas fino-bálticas, pertencentes à subfamília fino-úgrica, como o merya, o moksha, o muromiano, o idioma falado pelos meshcheras, o veps, entre outros. Estes idiomas - muitos dos quais já foram extintos - costumavam ser falados no centro e no norte da atual Rússia europeia, e entraram em contato com os idiomas eslavos orientais no início da Idade Média, servindo posteriormente como substrato para a língua russa atual. Os dialetos russos falados a norte, nordeste e noroeste de Moscou apresentam um número considerável de palavras de origem fino-úgrica.[17][18] Ao longo dos séculos, o vocabulário e o estilo literário do russo também foram influenciados pelos idiomas europeus ocidentais e centrais, como o polonês, o latim, o holandês, o alemão, o francês e o inglês.[19]