Lésbica
English: Lesbian

Nota: Este artigo refere-se a mulheres homossexuais, não sobre habitantes da ilha grega de Lesbos.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Bandeira do orgulho lésbico.

Lésbica é o termo para uma mulher homossexual.[1] Uma mulher que experimenta amor romântico ou atração sexual por outras mulheres.[2][3] O termo "lésbica" também é usado para expressar o relacionamento ou comportamento sexual ou romântico entre duas mulheres, independentemente da orientação sexual.[3]

O conceito de "lésbica" para diferenciar mulheres com uma orientação sexual é uma construção do século XX. Ao longo da história, as mulheres não tiveram a mesma liberdade e independência para possuir relações homossexuais como os homens, mas também não sofreram as mesmas punições duras que os gays nas sociedades ocidentais. Em vez disso, as relações lésbicas têm sido muitas vezes consideradas inócuas e incomparáveis com as relações heterossexuais, a menos que as mulheres em relações lésbicas tenham tentado conseguir privilégios ou direitos tidos como masculinos. Como resultado, pouco da história foi documentada para dar uma descrição precisa de como a homossexualidade feminina foi expressa. Quando no século XIX começaram a categorizar e descrever o comportamento homossexual, dificultados pela falta de conhecimento sobre a homossexualidade e sexualidade feminina, eles distinguiram lésbicas como mulheres que não aderem aos papéis de gênero feminino e as designaram incorretamente como doentes mentais, designação que foi revertida mais tarde pela Organização Mundial de Saúde, em 1991.[4]

Neste período, mulheres em relacionamentos lésbicos esconderam suas vidas pessoais ou aceitaram o rótulo de "pária" e criaram uma subcultura e identidade que se desenvolveu na Europa e nos Estados Unidos. Após a Segunda Guerra Mundial veio um período de repressão social, os governos passaram a perseguir homossexuais ativamente e as mulheres desenvolveram redes para socializar e educar umas as outras. Maior liberdade econômica e social permitiu-lhes gradualmente serem capaz de determinar como elas poderiam formar relacionamentos e famílias. Com a segunda onda do feminismo e crescimento de bolsas de estudos em história e sexualidade das mulheres no século XX, a discussão pelos direitos das lésbicas foi iniciada, o que provocou um debate sobre a atração sexual como o principal componente para definir o que uma lésbica é. Várias mulheres que se relacionam com o mesmo sexo podem se identificarem como bissexuais ao invés de lésbicas.

Retratos de lésbicas na mídia sugerem que a sociedade em geral tem sido ao mesmo tempo intrigada e ameaçada por mulheres que desafiam os papéis de gênero feminino, e fascinada e horrorizada com mulheres que estão romanticamente envolvidas com outras mulheres. Mulheres que adotam uma identidade lésbica compartilham experiências que formam uma visão semelhante a uma identidade étnica: como homossexuais, elas são unificadas pela discriminação heterossexista e rejeição potencial que enfrentam de suas famílias, amigos e outros como resultado da homofobia. Lésbicas podem ter problemas de saúde física ou mental distintos decorrentes de discriminação, preconceito e estresse. As condições políticas e atitudes sociais também afetam a formação dos relacionamentos lésbicos e suas famílias.

Origem e construção do termo

Ver artigo principal: História da lesbianidade
A palavra lésbica refere-se a mulheres que envolve-se sexualmente ou romanticamente, apenas com outras mulheres. (Sappho and Erinna in a Garden at Mytilene de Simeon Solomon)

A palavra "lésbica" vem do latim "lesbius" e originalmente referia-se somente aos habitantes da ilha de Lesbos, na Grécia. A ilha foi um importante centro cultural onde viveu a poetisa Safo, entre os séculos VI e VII a.C., muito admirada por seus poemas sobre amor e beleza, em sua maioria dirigidos às mulheres. Por esta razão, o relacionamento sexual entre mulheres passou a ser conhecido como lesbianidade ou safismo. Até o século XIX, a palavra lésbica não tinha o significado que hoje lhe é dado, o termo mais utilizado até então era "tríbade". Muitos termos foram usados para descrever o amor entre mulheres nos últimos dois séculos, entre os quais: amor lesbicus, urningismo, safismo, tribadismo, e outros. No poema Sapphic, de Algernon Charles Swinburne, de 1866, o termo "lésbica" aparece duas vezes mas em ambas como habitantes da ilha de Lesbos.[5] Em 1875, George Saintsbury referiu-se ao poema de Swinburne em seus "Estudos lésbicos", em que ele inclui seu poema sobre "A Paixão de Delphine", que é sobre amor entre mulheres que não alude Lesbos, apesar de ser intitulado Lesbos.[6] Lesbianismo para descrever relações eróticas entre mulheres tem sido documento desde 1870.[7] Em 1890 o termo "lésbica" foi usado no dicionário médico com um adjetivo para tribadismo. Os termos "lésbicas", "invertidas" e "homossexual" eram utilizados com "safista", "safismo", ao longo do século XX. O uso de "lésbica" na literatura médica tornou-se proeminente; em 1925, a palavra foi registrada como um substantivo para significar o equivalente feminino de sodomita.[7][8]

Painting of a woman dressed in Greek robes sitting on a marble bench with trees and water in the distance
Safo da ilha de Lesbos (Grécia), aqui interpretada em um quadro de John William Godward (1904), deu origem ao termo lésbica com a conotação do amor entre mulheres.

O desenvolvimento do conhecimento médico foi um significante fator para as conotações do termo "lésbica". Em meados do século XIX, os escritores médicos tentaram estabelecer formas de identificar a homossexualidade masculina, que foi considerado um problema social "grave" na maioria das sociedades ocidentais. Esta categorização servia para indicar o comportamento "inverso". O sexólogo alemão Magnus Hirschfeld pesquisava categorizar o que foi o comportamento sexual "normal" para um homem e uma mulher.

Por último, a literatura focava na homossexualidade feminina depois da homossexualidade masculina. Os médicos não consideravam a homossexualidade feminina um problema significante e, em alguns casos, foi tida como algo que não existia. No entanto, sexólogos como Richard von Krafft-Ebing (Alemanha) e Havelock Ellis (Grã-Bretanha) escreveram algumas das primeiras categorizações e mais duradouras sobre atração pelo mesmo sexo em mulheres, aproximando-as a uma forma de insanidade.[9] Krafft-Ebing, que considerou a lesbianidade (que ele chamou de "uranismo"), uma doença neurológica, e Ellis - que foi influenciado pelos escritos de Krafft-Ebing - discordava se a "inversão sexual" era geral. Ellis acredita que muitas mulheres que professavam amor por outras mulheres mudaram seus sentimentos sobre tais relações depois de terem experimentado casamento e uma "vida prática".[10]

No entanto, Ellis admitiu que houve "verdadeiras invertidas" que iria passar a vida buscando relações eróticas com mulheres. Estes eram membros da "terceiro sexo", ou seja, mulheres que rejeitaram os seus papéis como seres humanos subservientes, femininos e domésticos.[11] "Inversão" descrevia os papéis de gênero oposto e também a atração relacionada às mulheres em vez de homens; desde que as mulheres na era vitoriana foram consideradas incapazes de buscar ou querer relações sexuais, as mulheres que o fizeram com outras mulheres foram consideradas como possuindo desejos sexuais masculinos.[12]

"Faust's Vision" de Luis Ricardo Falero reflete a visão do século XIX das lésbicas.

O trabalho de Krafft-Ebing e Ellis foi amplamente lido, e ajudou a criar a consciência pública da homossexualidade feminina. EL As reivindicações dos sexólogos que a homossexualidade era uma anomalia congênita foram geralmente bem aceitas por homens homossexuais; isto significava que o seu comportamento não deveria ser considerado um vício criminal, como era amplamente tido. Na ausência de qualquer outro material para descrever suas emoções, os homossexuais aceitaram a designação de "diferentes" ou "pervertidos", e usaram o seu estado "fora da lei" para formar círculos sociais em Paris e Berlim. A palavra "lésbica" começou a descrever os elementos de uma subcultura.[13]

As lésbicas, nas culturas ocidentais em particular, muitas vezes classificam-se como tendo uma identidade, que define a sua sexualidade individual, bem como a sua adesão a um grupo que compartilha traços comuns.[14] Mulheres em muitas culturas ao longo da história tiveram relações sexuais com outras mulheres, mas elas raramente foram designadas como parte de um grupo de pessoas com base em suas relações físicas. Como as mulheres têm sido geralmente minorias políticas nas culturas ocidentais. A designação médica da homossexualidade tem sido motivo para o desenvolvimento de uma identidade subcultural.[15]

A sexualidade feminina muitas vezes não é adequadamente representada em textos e documentos. Até muito recentemente, muito do que tem sido documentado sobre a sexualidade das mulheres foi escrita por homens, no contexto de compreensão do sexo masculino, e relevante para as associações de mulheres a homens como suas esposas, filhas ou mães, por exemplo.[16] Muitas vezes, representações artísticas da sexualidade feminina sugerem tendências ou ideias em escalas amplas, dando aos historiadores pistas de como a era a aceitação generalizada das relações sexuais entre as mulheres.