John Locke

Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o filósofo inglês. Para outros significados, veja John Locke (desambiguação).
Question book-4.svg
Este artigo ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2011). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
John Locke
Nascimento29 de agosto de 1632
Wrington, Somerset, Inglaterra
Morte28 de outubro de 1704 (72 anos)
Essex, Inglaterra
Nacionalidadeinglês
Influências
Influenciados
Escola/tradiçãoEmpirismo britânico, contrato social, direito natural
Principais interessesMetafísica, epistemologia, filosofia política, filosofia da mente, educação
Ideias notáveisTabula rasa; estado natural; direito à vida, liberdade e propriedade
Assinatura
Locke sig.png

John Locke (Wrington, 29 de agosto de 1632Harlow, 28 de outubro de 1704) foi um filósofo inglês conhecido como o "pai do liberalismo"[1], sendo considerado o principal representante do empirismo britânico e um dos principais teóricos do contrato social.[2]

Locke ficou conhecido como o fundador do empirismo, além de defender a liberdade e a tolerância religiosa. Como filósofo, pregou a teoria da tábua rasa, segundo a qual a mente humana era como uma folha em branco, que se preenchia apenas com a experiência. Essa teoria é uma crítica à doutrina das ideias inatas de Platão, segundo a qual princípios e noções são inerentes ao conhecimento humano e existem independentemente da experiência.[3]

Locke escreveu o Ensaio acerca do Entendimento Humano, onde desenvolve sua teoria sobre a origem e a natureza do conhecimento.

Um dos objetivos de Locke é a reafirmação da necessidade do Estado e do contrato social e outras bases. Opondo-se à Hobbes, Locke acreditava que se tratando de Estado-natureza, os homens não vivem de forma bárbara ou primitiva. Para ele, há uma vida pacífica explicada pelo reconhecimento dos homens por serem livres e iguais.

Biografia

Locke estudou medicina, ciências naturais e filosofia em Oxford, principalmente as obras de Bacon e Descartes.[2] Em 1683, refugiou-se nos Países Baixos ao ser acusado de traição junto ao seu mentor politico o lorde Shaftesbury que era líder da oposição ao rei Carlos II no parlamento. Voltou à Inglaterra quando Guilherme de Orange subiu ao trono, em 1688. Em 1689-1690 publicou as suas primeiras obras: cartas sobre a tolerancia, ensaio sobre o entendimento humano, e os dois tratados sobre o governo civil.[4] Faleceu em 28 de outubro de 1704, com 72 anos.

Locke nunca se casou ou teve filhos. Encontra-se sepultado em All Saints Churchyard, High Laver, Essex na Inglaterra.[5]