John Lennon
English: John Lennon

John Lennon
John Lennon em 1969
Nascimento9 de outubro de 1940
Liverpool, Reino Unido
Morte8 de dezembro de 1980 (40 anos)
Nova Iorque, Nova Iorque, Estados Unidos
CônjugeCynthia Powell (1962–1968)
Yoko Ono (1969–1980)
Filho(s)
Carreira musical
Período musical1956–1976, 1980
Gênero(s)
Instrumento(s)
  • Vocal
  • guitarra
  • piano
Gravadora(s)
Afiliações
TítuloMembro da Ordem do Império Britânico (1965)
Assinatura
Firma de John Lennon.svg
Página oficial
johnlennon.com

John Winston Ono Lennon[nota 1] MBE (Liverpool, 9 de outubro de 1940Nova Iorque, 8 de dezembro de 1980) foi um cantor, compositor e ativista da paz britânico que co-fundou os Beatles,[2] a banda de maior sucesso comercial na história da música popular. Ele e seu amigo Paul McCartney formaram uma parceria de composição muito célebre.[3] Juntamente com George Harrison e Ringo Starr, o grupo alcançou fama mundial durante a década de 1960. Em 1969, Lennon começou a Plastic Ono Band com sua segunda esposa, Yoko Ono, e continuou a seguir carreira solo após a separação dos Beatles em abril de 1970.

Nascido em Liverpool, ele se envolveu na moda skiffle quando adolescente. Em 1956, formou sua primeira banda, The Quarrymen, que evoluiu para The Beatles em 1960. Além dos singles da Plastic Ono Band, como "Give Peace a Chance" e "Instant Karma!", Lennon produziu álbuns como John Lennon/Plastic Ono Band e Imagine, e canções como "Working Class Hero", "Imagine" e "Happy Xmas (War Is Over)". Depois de se mudar para Nova Iorque em 1971, nunca mais voltou à Inglaterra. Em 1975, ele se desligou da indústria da música para criar seu filho recém-nascido Sean, mas ressurgiu com Ono em 1980 com o álbum Double Fantasy. Ele foi baleado e morto na frente de seu prédio em Manhattan três semanas após o lançamento do álbum.[4][5]

Lennon revelou uma natureza rebelde e sagaz em sua música, escrita, desenhos, em filme e em entrevistas. Causava polêmica por conta de seu ativismo político e pacifista. A partir de 1971, suas críticas à Guerra do Vietnã resultaram em uma tentativa de três anos do governo Nixon de deportá-lo. Algumas de suas canções foram adotadas como hinos pelo movimento anti-guerra e pela contracultura da época.[6]

Em 2018, as vendas de álbuns solo de Lennon nos Estados Unidos ultrapassaram 72 milhões de unidades.[7] Ele teve 25 singles número um na Billboard Hot 100 dos EUA como compositor, co-compositor ou intérprete. Em 2002, foi eleito o oitavo em uma pesquisa da BBC dos 100 maiores britânicos e, em 2008, a Rolling Stone o classificou como o quinto maior cantor de todos os tempos. Em 1987, foi postumamente introduzido no Songwriters Hall of Fame. Lennon foi duas vezes postumamente introduzido no Rock and Roll Hall of Fame: primeiro em 1988 como membro dos Beatles e novamente em 1994 como artista solo.[8]

1940–1956: Primeiros anos

A casa de Lennon na 251 Avenida Menlove

John nasceu em 9 de outubro de 1940 no Liverpool Maternity Hospital, filho de Julia Stanley (1914–1958) e Alfred Lennon (1912–1976). Alfred era um comerciante marinheiro de ascendência irlandesa que estava ausente no momento do nascimento de seu filho.[9] Seus pais o nomearam John Winston Lennon em homenagem ao seu avô paterno, John "Jack" Lennon, e ao primeiro-ministro Winston Churchill.[10] Seu pai costumava ficar longe de casa, mas enviava regularmente cheques de pagamento para a 9 Newcastle Road, Liverpool, onde Lennon morava com a mãe;[11] os cheques pararam quando ele desertou em fevereiro de 1944.[12][13] Quando chegou em casa seis meses depois, se ofereceu para cuidar da família, mas Julia, então grávida de outro homem, rejeitou a ideia.[14] Depois que sua irmã Mimi reclamou duas vezes ao Serviço Social de Liverpool, Julia lhe deu a custódia de Lennon. Em julho de 1946, o pai de Lennon a visitou e levou seu filho para Blackpool, secretamente com a intenção de emigrar para a Nova Zelândia com ele.[15] Julia seguiu-os – com o seu parceiro na altura, Bobby Dykins – e depois de uma discussão acalorada, o pai o forçou a escolher com qual queria ficar. Em um relato desse incidente, Lennon escolheu duas vezes seu pai, mas quando sua mãe se afastou, ele começou a chorar e a seguiu.[16] De acordo com o autor Mark Lewisohn, no entanto, os pais de Lennon concordaram que Julia deveria levá-lo e dar-lhe uma casa. Uma testemunha que estava lá naquele dia, Billy Hall, disse que o retrato dramático de um jovem John sendo forçado a tomar uma decisão entre seus pais é impreciso.[17] Lennon não teve mais contato com Alf por quase 20 anos.[18]

Durante o resto de sua infância e adolescência, Lennon morou em Mendips, na avenida Menlove, em Woolton, com Mimi e seu marido, George Toogood Smith, que não tinham filhos.[19] Sua tia comprou volumes de contos para ele, e seu tio, um leiteiro na fazenda de sua família, comprou-lhe uma gaita de boca e o envolveu na solução de palavras cruzadas.[20] Julia visitava Mendips regularmente, e quando John tinha 11 anos, ele a visitava frequentemente em 1 Blomfield Road, Liverpool, onde ela tocava para ele discos de Elvis Presley, ensinava-lhe o banjo e mostrava a ele como tocar "Ain't That a Shame" de Fats Domino.[21] Em setembro de 1980, Lennon comentou sobre sua família e sua natureza rebelde:

Uma parte de mim gostaria de ser aceita por todas as facetas da sociedade e não ser este poeta/músico lunático barulhento. Mas eu não posso ser o que eu não sou ... Eu era o único que todos os outros pais dos meninos – incluindo o pai de Paul – diziam, "Fique longe dele" ... Os pais instintivamente reconheceram que eu era um encrenqueiro, o que significava que eu não me conformava e influenciava seus filhos, o que eu fazia. Eu fiz o meu melhor para perturbar a casa de todos os amigos ... Em parte por inveja que eu não tinha essa suposta casa ... mas eu fiz ... Havia cinco mulheres que eram da minha família. Cinco mulheres fortes, inteligentes e bonitas, cinco irmãs. Uma acabou sendo minha mãe. Ela simplesmente não conseguia lidar com a vida. Era a mais nova e tinha um marido que fugiu para o mar e a guerra estava acontecendo e ela não conseguia lidar comigo e acabei morando com a sua irmã mais velha. Agora aquelas mulheres eram fantásticas ... E essa foi a minha primeira educação feminista ... Eu me infiltraria nas mentes dos outros garotos. Eu poderia dizer: "Os pais não são deuses porque eu não vivo com os meus e, portanto, eu sei".[22]

Ele visitava regularmente seu primo, Stanley Parkes, que morava em Fleetwood e o levava a passeios nos cinemas locais.[23] Durante as férias escolares, Parkes costumava visitar Lennon com Leila Harvey, outra prima, e o trio frequentemente viajava para Blackpool duas ou três vezes por semana para assistir a shows. Eles visitavam o Blackpool Tower Circus e viam artistas como Dickie Valentine, Arthur Askey, Max Bygraves e Joe Loss, com Parkes lembrando que Lennon gostava particularmente de George Formby.[24] Depois que a família de Parkes se mudou para a Escócia, os três primos costumavam passar as férias escolares juntos. Parkes lembrou: "John, a prima Leila e eu éramos muito próximos. De Edimburgo, iríamos de carro até a casa da família em Durness, que era da época em que John tinha nove anos de idade até os seus 16 anos."[25] O tio de John, George, morreu de hemorragia hepática em 5 de junho de 1955, aos 52 anos.[26]

Lennon foi criado como anglicano e frequentou a Escola Primária de Dovedale.[27] Depois de passar no exame Eleven-Plus, ele frequentou o Quarry Bank High School em Liverpool, de setembro de 1952 a 1957, período em que foi descrito por Harvey como um "rapaz alegre, bem-humorado, tranquilo e animado".[28] Ele frequentemente desenhava charges cômicas que apareciam em sua própria revista escolar chamada Daily Howl.[29][nota 2]

Em 1956, Julia comprou para John sua primeira guitarra. O instrumento era um Gallotone Champion acústico barato para o qual ela emprestou a seu filho cinco libras e dez xelins com a condição de que a guitarra fosse entregue em sua própria casa e não na de Mimi, sabendo que sua irmã não apoiava as aspirações musicais de seu filho.[31] Mimi era cética em relação à alegação de que ele seria famoso um dia, e esperava que ele se cansasse da música, muitas vezes dizendo a ele: "Nada de errado com o violão, John, mas você nunca vai ganhar a vida com isso."[32] Em 15 de julho de 1958, a mãe de Lennon foi atingida e morta por um carro enquanto caminhava depois de visitar a casa dos Smiths.[33]

Lennon falhou em seus exames finais e somente foi aceito no Liverpool College of Art depois que sua tia e seu diretor intervieram.[34] Na faculdade ele começou a usar roupas na moda Teddy Boy e foi ameaçado de expulsão por seu comportamento.[35] Na descrição de Cynthia Powell, colega de Lennon, e posteriormente sua primeira esposa, ele foi "expulso da faculdade antes de seu último ano".[36]