John F. Kennedy

Disambig grey.svg Nota: ""John Kennedy" e "Presidente Kennedy"" e "" redirecionam para este artigo. Para outras pessoas ou lugares com este nome, veja John Kennedy (desambiguação) . Para outros significados, veja Presidente Kennedy (desambiguação).
John F. Kennedy
35º Presidente dos Estados Unidos
Período20 de janeiro de 1961
a 22 de novembro de 1963
Vice-presidenteLyndon B. Johnson
AntecessorDwight D. Eisenhower
SucessorLyndon B. Johnson
Senador por Massachusetts
Período3 de janeiro de 1953
a 22 de dezembro de 1960
AntecessorHenry Cabot Lodge, Jr.
SucessorBenjamin A. Smith II
Membro da Câmara dos Representantes
pelo 11º distrito de Massachusetts
Período3 de janeiro de 1947
a 3 de janeiro de 1953
AntecessorJames Michael Curley
SucessorTip O'Neill
Dados pessoais
Nome completoJohn Fitzgerald Kennedy
Nascimento29 de maio de 1917
Brookline, Massachusetts, Estados Unidos
Morte22 de novembro de 1963 (46 anos)
Dallas, Texas, Estados Unidos
ProgenitoresMãe: Rose Fitzgerald
Pai: Joseph P. Kennedy
Alma materUniversidade Harvard
EsposaJacqueline Bouvier (1953–1963)
FilhosArabella Kennedy
Caroline Bouvier Kennedy
John F. Kennedy, Jr.
Patrick Bouvier Kennedy
Parentesco
PartidoDemocrata
ReligiãoCatolicismo
AssinaturaAssinatura de John F. Kennedy
Serviço militar
Serviço/ramoMarinha dos Estados Unidos
Anos de serviço1941–1945
GraduaçãoTenente
UnidadeEsquadrão de Torpedeiros 2
ComandosPT-109
PT-59
ConflitosSegunda Guerra Mundial
CondecoraçõesMedalha da Marinha e Corpo Fuzileiros
Coração Púrpuro
Medalha do Serviço de Defesa Americano
Medalha da Campanha Americana
Medalha da Campanha Asiática–Pacífico (com três estrelas de bronze)
Medalha de Vitória da Segunda Guerra Mundial

John Fitzgerald Kennedy (Brookline, 29 de maio de 1917Dallas, 22 de novembro de 1963) foi um político americano que serviu como 35° presidente dos Estados Unidos (1961–1963) e é considerado uma das grandes personalidades do século XX. Ele era conhecido como John F. Kennedy ou Jack Kennedy por seus amigos e popularmente como JFK.

Eleito em 1960, Kennedy tornou-se o segundo mais jovem presidente do seu país, depois de Theodore Roosevelt. Ele foi presidente de 1961 até o seu assassinato em 1963. Durante o seu governo houve a Invasão da Baía dos Porcos, a Crise dos mísseis de Cuba, a construção do Muro de Berlim, o início da Corrida espacial, a consolidação do Movimento dos Direitos Civis nos Estados Unidos e os primeiros eventos da Guerra do Vietnã.[1]

Durante a Segunda Guerra Mundial, ficou conhecido pela sua liderança como o comandante do barco PT-109 na área do Pacífico Sul. Ao realizar um reconhecimento, o seu barco foi atingido por um destróier japonês, que partiu o barco em dois e causou uma explosão. A tripulação responsável conseguiu nadar até uma ilha e sobreviver até serem resgatados. Essa façanha proporcionou-lhe popularidade e começou assim a sua carreira política. Kennedy representou o Estado de Massachusetts como um membro da Câmara dos Deputados a partir de 1947 até 1953 e depois como Senador de 1953 até que se tornou presidente em 1961.[2] Com 43 anos de idade, foi o candidato presidencial do Partido Democrata nas eleições de 1960, derrotando o Republicano Richard Nixon em uma das eleições mais apertadas da história presidencial do país. Kennedy foi a última pessoa a ser eleita Presidente enquanto ainda exercia um mandato como Senador, até a eleição de Barack Obama em 2008. Também foi o único católico a ser eleito presidente dos Estados Unidos. Até a data, era o único nascido durante a Primeira Guerra Mundial e também o primeiro nascido no século XX.

O presidente Kennedy morreu assassinado em 22 de novembro de 1963 em Dallas, Texas. O ex-fuzileiro naval Lee Harvey Oswald foi preso e acusado do assassinato, mas foi morto dois dias depois, por Jack Ruby e por isso não foi julgado. A Comissão Warren concluiu que Oswald agiu sozinho no assassinato. No entanto, o Comitê da Câmara sobre Assassinatos descobriu em 1979 que talvez tenha havido uma conspiração em torno do acontecido. Este tópico foi debatido e há muitas teorias sobre o assassinato, visto que o crime foi um momento importante na história dos Estados Unidos devido ao seu impacto traumático na psique da nação.

O governo Kennedy é muito bem avaliado por historiadores e acadêmicos, registrando também uma média de 70% de aprovação dentre o povo durante sua presidência.[3] Muitos viram em Kennedy um ícone das esperanças e aspirações americanas, e em algumas pesquisas no país ele ainda é valorizado como um dos melhores presidentes da história da nação.[4]

Infância e juventude

A casa onde John Kennedy nasceu em Brookline, Massachusetts.

John F. Kennedy era filho de Joseph P. Kennedy e Rose Fitzgerald. Joseph era um empresário e também foi embaixador americano no Reino Unido. Rose foi a filha mais velha de John Fitzgerald, uma figura política proeminente em Boston, que foi deputado e prefeito de sua cidade. O casal teve nove filhos, sendo John o segundo deles. Nascido no número 83 da Beals Street, em Brookline, Massachusetts na terça-feira 29 de maio de 1917, às 15:00 h.

Durante seus primeiros 10 anos de vida, viveu em Brookline. Ele estudou na escola Devotion Edward do jardim de infância até o início da terceira série. Na quarta série, ingressou numa escola particular para meninos chamada de Noble e Greenough, mais tarde chamado de Dexter School.[5]

Em setembro de 1927, ele mudou-se com a sua família para uma mansão alugada de 20 cômodos em Riverdale, no bairro do Bronx em Nova York. Dois anos depois, eles se mudaram cinco milhas a nordeste, para uma mansão com 21 quartos em um campo de seis hectares, em Bronxville, Nova York, adquirida em maio de 1929. Kennedy à época era escoteiro e um membro da "Tropa Escoteiro 2" de Bronxville entre 1929 e 1931, e também foi primeiro escoteiro a ser eleito presidente.[6] Ele passou seus verões com sua família em uma casa em Hyannis Port, Massachusetts, também comprada em 1929 e as festas de Natal e de Páscoa reuniam-se em sua casa em Palm Beach, Flórida, adquirida em 1933. A partir da quinta para a sétima série, John estudou na escola particular Country Riverdale, uma escola exclusivamente para os meninos de Riverdale.

Em setembro de 1930, Kennedy foi enviado para um internato de meninos de Canterbury School para participar da oitava série. Esta escola era 50 milhas de sua casa em New Milford, Connecticut. No final de abril de 1931 teve um ataque de apendicite e passou por uma apendicectomia, após o qual ele se ausentou da Canterbury para se recuperar em casa. Em setembro de 1931, John foi enviado com seu irmão mais velho, Joe, à escola privada Choate, que ficava a cerca de 60 milhas de sua casa em Wallingford, Connecticut, que era uma escola preparatória para a faculdade. Em janeiro de 1934, ele começou a perder muito peso e ficou doente, sendo internado no Hospital Yale-New Haven até a Páscoa e passou a maior parte do mês de junho de 1934 hospitalizado na Clínica Mayo, em Rochester, Minnesota, objeto de análise pelo colite que sofreu.

Ele se formou em Choate, em junho de 1935.[7] Em setembro, ele viajou para Londres no navio SS Normandie, o que era sua primeira viagem ao exterior. Ele estava acompanhado por seus pais e sua irmã Kathleen. A ideia da viagem era que o jovem Kennedy estudasse por um ano com o professor Harold Laski na London School of Economics (LSE), como tinha feito seu irmão mais velho, Joe. Mas na segunda semana no LSE foi hospitalizado por causa de icterícia. Devido a isso, ele viajou de volta para a América depois de passar apenas três semanas no Reino Unido. Em outubro de 1935, Kennedy ingressou tardiamente na Universidade de Princeton onde apenas seis semanas depois, entre janeiro e fevereiro de 1936, foi hospitalizado por mais duas semanas no Hospital Peter Bent Brigham, em Boston, onde houve comentários sobre uma possível leucemia. Entre março e abril deste ano permaneceu em Palm Beach, na casa de inverno da família, recuperando-se, e durante maio e junho, trabalhou na fazenda de 40 mil hectares nos arredores de Benson, Arizona.

Em setembro de 1936 ele se matriculou para estudar seu primeiro ano na Universidade Harvard, vivendo em House Winthrop do primeiro ao último ano. Mais uma vez ele seguiu seu irmão Joe, que já havia feito dois anos na faculdade. Em julho de 1937, viajou para a França no SS Washington. Ele passou 10 semanas de viagem com um amigo, não só neste país mas também na Itália, Alemanha, Holanda e no Reino Unido.[5]

No final de junho de 1938, ele viajou com seu pai e seu irmão Joe no SS Normandie para trabalhar o mês de julho na Embaixada americana em Londres, porque seu pai foi nomeado Embaixador dos Estados Unidos na Corte de Saint James pelo presidente Franklin D. Roosevelt. De fevereiro a setembro de 1939, Kennedy visitou a União Soviética, os Bálcãs e o Oriente Médio para reunir informações para sua tese em Harvard. Ele passou os últimos dez dias de agosto na Checoslováquia e na Alemanha antes de retornar a Londres em 1 de setembro de 1939, mesmo dia em que aconteceu a invasão alemã da Polônia. Em 3 de setembro, foi com seus pais, seu irmão Joe e a irmã Kathleen na Galeria Strangers da Câmara dos Comuns britânica, onde ele ouviu discursos de apoio à declaração de guerra do Reino Unido para a Alemanha. Kennedy foi enviado por seu pai como seu representante para ajudar nos esforços aos sobreviventes americanos do navio SS Athenia. No final de setembro ele voltou para os Estados Unidos em um voo transatlântico do Clipper Dixie da Pan Am, que voou de Foynes a Port Washington, New York.

Em 1940, ele completou sua tese de doutorado, intitulada de "Apaziguamento em Munique", sobre o Acordo de Munique. Inicialmente, ele queria que sua tese fosse privada, mas seu pai o convenceu a publicá-la em um livro. Doutorou-se pela Universidade Harvard com uma licenciatura em relações internacionais em junho de 1940 e em julho do mesmo ano a sua tese foi publicada sob o título "Why England Slept?" ("Por que a Inglaterra Dormiu?") que se tornou um bestseller.[8]

Entre setembro e dezembro de 1940, assistiu a palestras na Stanford Graduate School of Business. No início de 1941, ele ajudou seu pai a completar a escrita de suas memórias de três anos como embaixador. Em maio e junho de 1941 viajou para à América do Sul.