Híbrido (biologia)

Um ligre, resultado do cruzamento de um leão com uma tigresa. Só existem ligres em cativeiro.

O termo híbrido designa um cruzamento genético entre duas espécies vegetais ou animais distintas, que geralmente não podem ter descendência devido aos seus genes incompatíveis.[1] Este fenômeno foi estudado pela primeira vez em plantas por Joseph Gottlieb Kölreuter durante o século XVIII, embora existam citações mais antigas sobre esse assunto, tanto em plantas como em animais.[carece de fontes?]

Algumas dessas novas espécies ainda são produzidas até hoje através do cruzamento entre espécies, essencialmente para serem usadas como atrações de apresentações e locais turísticos. Atualmente, cientistas estão tentando recriar o mamute através do ADN destes animais (que foram encontrados congelados na Sibéria). Esses cientistas usarão técnicas de clonagem para fertilizar óvulos de fêmeas de elefante (seus parentes modernos). Se conseguirem, este animal será um híbrido de elefante com mamute[2] , e provavelmente também será estéril, como a maioria dos híbridos.

Tipos

Exemplo de híbridos simples F1, resultantes do cruzamento entre pata e marreco.
Pais dos híbridos exibidos na imagem ao lado.

Os híbridos podem ser classificados como:

  • Híbrido simples F1 - é fruto do cruzamento entre espécies diferentes.
  • Híbrido simples F2 - é o cruzamento entre híbridos simples F1.
  • Híbrido duplo - é o cruzamento de dois híbridos simples F1.[3]
  • Híbrido triplo - é o cruzamento simples F1 com uma linhagem endogâmica.[4]