Guatemala

República da Guatemala
República de Guatemala
Bandeira da Guatemala
Brasão de armas da Guatemala
BandeiraBrasão das armas
Lema: Libre Crezca Fecundo
(Espanhol: "Livre, cresça fecundo")
Hino nacional: Himno Nacional de Guatemala
Gentílico: guatemalteco(a),
guatemalense,[1]
guatemalês(esa)[2]

Localização

CapitalCidade da Guatemala
Língua oficialEspanhol
GovernoRepública presidencialista
 - PresidenteJimmy Morales
 - Vice-presidenteJafeth Cabrera
Independênciada Espanha 
 - Declarada15 de setembro de 1821 
Área 
 - Total108.890 km² (106.º)
 - Água (%)0,4
 FronteiraMéxico, Belize, Honduras e El Salvador
População 
 - Estimativa para 201817 263 239[3] hab. (69.º)
 - Densidade134,6 hab./km² (85.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2018
 - TotalUS$ 145,514 bilhões[3] (83.º)
 - Per capitaUS$ 8,429 (154.º)
IDH (2017)0,650 (127.º) – médio[4]
MoedaQuetzal (CTQ)
Fuso horário(UTC−6)
Cód. Internet.gt
Cód. telef.++502
Website governamentalhttp://www.guatemala.gob.gt

Mapa

A Guatemala (pronunciado em castelhano[gwate̞ˈmala]), oficialmente República da Guatemala (em castelhano: República de Guatemala), é um país da América Central, limitado a oeste e a norte pelo México, a leste pelo Belize, pelo Golfo das Honduras e pelas Honduras e a sul por El Salvador e pelo Oceano Pacífico. Sua capital é a Cidade da Guatemala, que também é seu maior e mais populoso centro urbano.

A história da Guatemala é marcada pela civilização maia clássica, a qual dominou a área onde se encontra país atual durante todo o período pós-clássico, até a conquista do Iucatã pelos espanhóis. Além da Guatemala, os maias viveram em Honduras, Belize, na parte sul do México e na parte oriental de El Salvador. Após sua independência da Espanha em 1821, a Guatemala tornou-se parte da Estados Unidos da América Central e, após a sua dissolução, enfrentou uma instabilidade política que caracterizou toda a região durante meados do século XIX.

No início do século XX, a Guatemala se caracterizava por uma mistura de governos democráticos, bem como uma série de regimes ditatoriais, os quais eram frequentemente assistidos pelo United Fruit Company e o governo dos Estados Unidos. De 1964 a 1996, a Guatemala sofreu uma guerra civil travada entre o governo e militantes de esquerda. Após o ocorrido, o país experimentou um crescimento econômico e eleições democráticas.

Etimologia

Tikal é um dos maiores sítios arqueológicos e centros urbanos da antiga civilização maia.

Acredita-se que o topônimo "Guatemala" derive da palavra indígena Quhatezmalha, que significa "montanha que verte água", em alusão ao vulcão Agua, que destruiu a Cidade Velha (Santiago de los Caballeros), primeira capital espanhola da capitania geral, ou do náhuatl Quauhtlemallan, que significa "lugar com muitas árvores".

Na pré-história, a atual Guatemala esteve culturalmente ligada à península de Yucatán, e testemunhou a ascensão das civilizações pré-maia e maia. Em suas planícies do norte e centrais ergueram-se as grandes e clássicas cidades maias de Tikal, Uaxactún, Altar de Sacrifícios, Piedras Negras, Yaxhá e Seibal; nos planaltos do sul estavam as cidades de Zacualpa, Kaminaljuyú, Cotzumalhuapa e outras. Elas mantinham conexões políticas e econômicas entre si e com as cidades pré-históricas no sul e centro do México, como as de Teotihuacán e Monte Albán (em Oaxaca).

A Guatemala é o berço da civilização maia, cujo centro era a região de Petén, o que justifica as características únicas da cultura guatemalteca no quadro da cultura centro-americana. Entre os séculos VII e XII, quando os astecas estenderam seu domínio até a Guatemala, os maias migraram para Yucatán. Posteriormente, nova migração os conduziu ao Petén. De 2500 a. C. até ao século X d.C., os Maias viveram uma era florescente, entrando depois em declínio até serem subjugados pelo conquistador espanhol Pedro de Alvarado, lugar-tenente de Cortés, em 1523.