Geórgia

Disambig grey.svg Nota: Para o estado dos Estados Unidos, veja Geórgia (Estados Unidos). Para outros significados, veja Geórgia (desambiguação).
საქართველო
(georgiano)
Sakartvelo

Geórgia
Bandeira da Geórgia
Brasão de armas da Geórgia
BandeiraBrasão de armas
Lema: ძალა ერთობაშია
"A Força está na União."
Hino nacional: "თავისუფლება"
"Liberdade"
Gentílico: Georgiano,
geórgico[1]

Localização da Geórgia

Localização da Geórgia (em verde)
No continente europeu (em cinza escuro)
CapitalTbilisi
41º43'N 44º47'E
Cidade mais populosaTbilisi
Língua oficialGeorgiano1
GovernoRepública semipresidencialista
 - PresidenteSalome Zurabishvili
 - Primeiro-ministroMamuka Bakhtadze
Formação 
 - Formação dos reinos georgianos da Cólquida
e da Ibéria
2 000 a.C. 
 - Unificação do Reino da Geórgia1008 
 - República Democrática da Geórgia26 de maio de 1918 
 - Independência da União Soviética9 de abril de 1991 
 - Reconhecida25 de dezembro de 1991 
Área 
 - Total69 700 km² (121.º)
 - Água (%)4,56%
 FronteiraRússia, Azerbaijão, Armênia, Turquia e Mar Negro
População 
 - Estimativa para 2017[2]3 718 200 hab. (123.º)
 - Densidade65,1 hab./km² (128.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2017
 - TotalUS$ 39,3 bilhões[3] (114.º)
 - Per capitaUS$ 9500 (104.º)
IDH (2017)0,780 (70.º) – alto[4]
MoedaLari (GEL)
Fuso horário(UTC+4)
Cód. ISOGEO
Cód. Internet.ge
Cód. telef.+995
Website governamentalwww.gov.ge

Mapa da Geórgia

1. O abecásio também é falado na República Autônoma da Abecásia.

A Geórgia (em georgiano: საქართველო, transl Sakartvelo, pronunciado: [sɑkʰɑrtʰvɛlɔ] (Sobre este somescutar )) é um país da Europa Oriental.[5][6] Limita-se com a Rússia a norte e a leste, a sul com a Turquia e a Arménia, a leste e a sul com o Azerbaijão e a oeste com o mar Negro.[7] Sua capital é Tbilisi, que também é sua maior cidade. O país é uma república unitária, semipresidencial, com o governo eleito através de uma democracia representativa. Seu território é de 69 700 km² e sua população, conforme estimativas de 2017, é de cerca de 3,718 milhões de habitantes. Mais de um quarto da população vive na região de Tbilisi, com outras grandes cidades sendo Cutaisi, Batumi e Rustavi.

Durante a era clássica, reinos independentes estabeleceram-se no que hoje é a Geórgia. Os reinos da Cólquida e Ibéria, cujas orientações religiosas vinham do Paganismo, adotaram o cristianismo no início do século IV. O Reino da Geórgia atingiu o auge de sua força política e econômica durante o reinado de Davi IV e Tamara I, nos séculos XI e XII. No início do século XIX, a Geórgia foi anexada pelo Império Russo.[8] Depois de um breve período de independência, após a Revolução Russa de 1917, a Geórgia foi ocupada pela União Soviética em 1921, tornando-se a República Socialista Soviética Geórgia e parte da União Soviética. Após a independência, em 1991, a Geórgia pós-comunista sofria de distúrbios civis e de crise econômica na maior parte do século XX. Isso durou até a Revolução Rosa de 2003, depois que o novo governo introduziu reformas democráticas e econômicas.[9]

Seu relevo se caracteriza por regiões muito montanhosas, abrigando a maior cordilheira do Cáucaso - que serve como limite de fronteira com a Rússia. Na parte norte, há vários pontos que ultrapassam os 4000 metros de altitude, no que é conhecido como Grande Cáucaso. A Geórgia possui uma cultura bastante peculiar, sendo o único Estado no mundo a ter a língua georgiana como oficial, a principal entre as cartevélicas. Os georgianos, etnicamente, não se encaixam em nenhuma das etnias predominantes da Europa ou Ásia, e eram chamados na Antiguidade de cólquicos ou iberos.[10][11] A maior parte da população é adepta do cristianismo ortodoxo, sendo parte da Igreja Ortodoxa Georgiana.

Possui duas regiões independentes de facto, a Abecásia e a Ossétia do Sul, que obtiveram reconhecimento internacional limitado após a Guerra Russo-Georgiana. O Estado, e grande parte da comunidade internacional, considera as regiões como parte integrante de seu território soberano, sob ocupação militar russa. A Geórgia é atualmente um membro do Conselho da Europa, da Organização de Cooperação Econômica do Mar Negro, da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), e do Eurocontrol. A nação também aspira aderir à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e à União Europeia (UE).

Etimologia

Os georgianos chamam-se a si mesmos de ქართველები (kartvelebi) e a sua língua de ქართული (kartuli). Estes termos derivam do nome de um lendário chefe pagão, Kartlos, de quem se diz ser o "pai" dos georgianos.[12] A denominação estrangeira Geórgia, utilizada por grande parte das línguas do mundo, vem do grego γεωργ- (geōrg-), o que levou a acreditar que o nome derivaria do seu santo padroeiro, São Jorge, ou do termo grego para cultivar, γεωργία (gueōrguía).[13][14]

O nome nativo é Sakartvelo (საქართველო; "terra dos kartvelebi"), derivado da região georgiana núcleo central de Cártlia, gravado a partir do século IX, e no uso prolongado referindo-se a todo o reino medieval da Geórgia por volta do século XIII. A autodesignação usada por pessoas de etnia georgiana é kartvelebi (ქართველები) As crônicas medievais georgianas apresentam um ancestral homônimo dos Kartvelebi, Kartlos, um bisneto de Jafé. O nome Sakartvelo (საქართველო) consiste em duas partes. Sua raiz, kartvel-i (ქართველ-ი), especifica um habitante da região georgiana centro-leste do núcleo de Cártlia, ou Ibéria, como é conhecido em fontes do Império Romano do Oriente.[15]

Os Gregos antigos (Estrabão, Heródoto, Plutarco, Homero, etc.) e os Romanos (Tito Lívio, Tácito, etc.) referem-se aos Georgianos antigos ocidentais como colcos, e aos Georgianos orientais como Iberos (Iberoi em algumas fontes gregas).[15] Na Antiguidade, os habitantes da Geórgia eram também denominados iberos, em razão do Reino da Ibéria, que muito confundia os geógrafos antigos, que pensavam que este termo só se aplicava aos habitantes da Península Ibérica.[15]