Frank Knight

Frank Knight
Nome nativoFrank Hyneman Knight
Nascimento7 de novembro de 1885
Condado de McLean
Morte15 de abril de 1972 (86 anos)
Chicago
CidadaniaEstados Unidos
Alma materUniversidade do Tennessee, Universidade Cornell
Ocupaçãoeconomista, professor universitário, sociólogo
PrêmiosBolsa Guggenheim
EmpregadorUniversidade de Chicago
Religiãoateísmo

Frank Hyneman Knight (7 de novembro de 1885 – 15 de abril de 1972) foi um economista americano que passou a maior parte da sua carreira na Universidade de Chicago, onde ele tornou-se um dos fundadores da Escola de Chicago.[1] Os vencedores do Nobel Milton Friedman, George Stigler e James M. Buchanan foram todos estudantes de Knight em Chicago. Ronald Coase afirmou que Knight, mesmo sem ser seu professor, foi uma grande influência em seu pensamento.[2]

Biografia

Knight (B.A., Milligan College,1911; B.S. e A.M., Tennessee, 1913; Ph.D., Cornell, 1916) nasceu em McLean County, Illinois, em 1885. A maior parte de sua carreira se deu na Universidade de Chicago, onde ele foi professor emérito de Ciências Sociais e Filosofia. Knight foi um dos economistas de vanguarda do mundo, tendo feito contribuições importantes para muitos problemas da teoria econômica e filosofia social. Ele é conhecido por sua obra Incerteza do Risco e Lucro, um estudo monumental sobre o papel do empreendedor na vida econômica. Em 1950, ele foi nomeado presidente da Associação Econômica Americana e, em 1957, recebeu o Prêmio Francis A. Walker, dado a "no máximo uma vez a cada cinco anos para o economista vivo (dos Estados Unidos) que, no julgamento da entidade, durante sua carreira deu a maior contribuição à economia". Suas cinzas estão enterradas na cripta da Primeira Igreja Unitariana de Chicago.

Knight é conhecido como o autor do livro Incerteza do Risco e Lucro, baseado em sua dissertação de Ph.D. na Universidade de Cornell. Nesse livro, ele diferencia o risco econômico da incerteza. Situações com risco são aquelas nas quais os resultados são desconhecidos mas regidos por distribuição de probabilidades conhecidas desde o início. Ele argumentou que essas situações, regras de tomada de decisão tais como a maximização da utilidade esperada podem ser aplicadas, diferindo enormemente daquelas "incertas", nas quais não apenas os resultados, mas mesmo os modelos de probabilidade que as regem são desconhecidos. Knight argumentou que a incerteza dá lugar ao lucro que a competição perfeita não poderia eliminar.[1]

Embora a maioria dos economistas atualmente não reconheçam a distinção de Knight entre risco e incerteza, a distinção não resultou em muita modelagem teórica ou trabalho empírico. Uma exceção possível é o modelo de "Mercados a partir de Redes" desenvolvido pelo Harrison White em 2002.

Knight também é famoso por ter debatido com Arthur Cecil Pigou sobre custo social. Ele também contribuiu para o argumento dos pedágios. Ele afirmou que ao invés de os congestionamentos justificarem os pedágios públicos de ruas, as estradas privadas deveriam colocar pedágios para reduzir o congestionamento para seu nível de eficiência.[1] Em particular, ele desenvolveu o argumento que forma a base da análise do equilíbrio de tráfico, e que desde então se tornou conhecido como o Princípio de Wardrop:

Suponha-se que entre dois pontos há duas rodovias, uma delas sendo larga o suficiente para acomodar sem engarrafar todo o tráfico que se dispõe a usá-la, mas é mal nivelada; enquanto a outra é uma rodovia muito melhor, mas estreita e com capacidade limitada. Se um grande número de caminhões operam entre os dois terminais e são livres para escolher entre as duas rotas, eles tenderão a se distribuírem entre as rodovias em uma tal proporção que o custo por unidade de transporte, ou retornos efetivos por unidade de investimento, será o mesmo para todo caminhão em ambas as rotas. Quanto mais caminhões usarem a estrada mais estreita e melhor, aparecerão congestionamentos, até um certo ponto em que se torna igualmente rentável usar a estrada mais ampla e mal cuidada.