Força Aérea Real

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2015). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: RAF redireciona para este artigo. Para outros significados, veja RAF (desambiguação).
Força Aérea Real
País Reino Unido
SubordinaçãoMinistryofDefence.svg Forças Armadas Britânicas
MissãoForça Aérea
Criação1 de abril de 1918
MarchaRoyal Air Force March Past
LemaPer ardua ad astra
Através da adversidade para as Estrelas
História
Guerras/batalhasPrimeira Guerra Mundial
Batalha da Grã-Bretanha
Segunda Guerra Mundial
Guerra Fria
Guerra do Golfo
Guerra do Kosovo
Guerra do Afeganistão
Guerra do Iraque
Guerra contra o Estado Islâmico
Logística
Efetivo33 240 militares
Aeronaves operacionais832[1]
Insígnias
RoundelRAF roundel.svg
Emblema do estabilizador verticalRAF-Finflash-Noncombat.svg
BandeiraAir Force Ensign of the United Kingdom.svg
Comando
Comandante-em-ChefeRainha Elizabeth II
Chefe da Força Aérea RealStephen Dalton
Comandantes
notáveis
Lord Trenchard
Lord Portal
Sede
GuarniçãoWhitehall, Londres

A Força Aérea Real (RAF) (inglês: Royal Air Force) é a força aérea independente mais antiga do mundo.

Foi criada em 1 de abril de 1918, durante a Primeira Guerra Mundial, pela mescla do Corpo Real de Voo (Royal Flying Corps) e do Serviço Aeronaval Real (Royal Naval Air Service). Desde lá, teve um importante papel na história militar britânica, especialmente na Segunda Guerra Mundial. Nesse conflito, durante a Batalha da Inglaterra, a RAF teve grande importância defensiva.

Apesar da superioridade numérica dos nazistas, os ingleses conseguiram enfrentá-los, devido a uma arma secreta: o radar. Causaram assim cerca de 2500 mortes na Luftwaffe, destruindo 1887 aviões alemães, e perderam 544 homens e 1547 aeronaves. Nessa época teve grande importância os caças Spitfire, que enfrentavam os caças de escolta alemães, e os Hurricane, encarregados de abater os bombardeiros. O radar diminuía a necessidade de voos de patrulha, e assim, os caças da RAF poderiam se concentrar para atacá-los. Posteriormente, junto às forças aéreas do exército dos Estados Unidos (USAAF), teve um papel marcante nos bombardeios sobre o continente europeu e nas batalhas sobre a Alemanha que acabaram destruindo a força aérea de Hitler.

Mais recentemente, atuou no Iraque e continua atuando em outras zonas de guerra, sendo uma das forças aéreas mais modernas do mundo. A RAF possui mais de 1.000 aeronaves e, em 2007, 45.710 de pessoal regular. Hoje a RAF tem como aeronaves de ataque e apoio ofensivo os caças Tornado GR4, Harrier GR9 e o Eurofighter Typhoon FGR4. As aeronaves de defesa aérea e alerta aéreo antecipado são o Eurofighter Typhoon F2 e o Tornado F3. As aeronaves de reconhecimento são o Sentry AEW1, o Nimrod R1, o Sentinel R1 e o MQ-9 Reaper.[2]

Fotos

Referências

  1. «2018 United Kingdom Military Strength». Global Firepower. Consultado em 12 de abril de 2018. 
  2. Air Power and Colonial Control: The Royal Air Force, 1919-1939 By David E. Omissi, Published 1 January 1990, Acessado em 4 de março de 2014.