Engenharia genética

Cadeia ADN

Manipulação genética e modificação genética são termos para o processo de manipulação dos genes num organismo, geralmente fora do processo normal reprodutivo deste. Envolvem frequentemente o isolamento, a manipulação e a introdução do DNA num ser vivo, geralmente para expressar um gene. O objetivo é introduzir novas características num ser vivo para aumentar a sua utilidade, tal como aumentando a área de uma espécie de cultivo, introduzindo uma nova característica, ou produzindo uma nova proteína ou enzima.[1][2][3]

Exemplos são a produção de insulina humana através do uso modificado de bactérias e da produção de novos tipos de ratos como o OncoMouse (rato cancro) para pesquisa, através de ré-estrangulamento genético. Já que uma proteína é codificada por um segmento específico de ADN chamado gene, versões futuras podem ser modificadas mudando o DNA de um gene. Uma maneira de o fazer é isolando o pedaço de ADN contendo o gene, cortando-o com precisão, e reintroduzindo o gene em um segmento de DNA diferente.

A engenharia genética oferece a partir do estudo e manuseio bio-molecular (também chamado de processo biológico e molécular), a obtenção de materiais orgânicos sintéticos. Os processos de indução da modificação genética permitiram que a estrutura de sequências de bases completas de DNA fossem decifradas, portanto facilitando a clonagem de genes. A clonagem de genes é uma técnica que está sendo largamente utilizada em microbiologia celular na identificação e na cópia de um determinado gene no interior de um organismo simples empregado como receptor, uma bactéria, por exemplo. Este processo é muito importante na síntese de alguns sub-produtos utilizados para o tratamento de diversas enfermidades.

Definição

A engenharia genética altera a composição genética de um organismo utilizando técnicas que removem material hereditário ou que introduzem DNA preparado fora do organismo ou diretamente no hospedeiro ou numa célula que é então fundida com o hospedeiro [4]. Isto envolve o uso de técnicas de ácido nucleico recombinante (DNA ou RNA) para formar novas combinações de material genético hereditário seguido pela incorporação desse material quer indiretamente através de um sistema de vector ou diretamente através de técnicas de microjecção, macroinjecção e microencapsulação.

A engenharia genética não inclui normalmente a criação animal e vegetal tradicional, a fertilização in vitro, a indução de poliploidia, mutagénese e técnicas de fusão celular que não utilizam ácidos nucleicos recombinantes ou um organismo geneticamente modificado no processo [4]. Contudo, a Comissão Europeia definiu igualmente a engenharia genética como incluindo a criação seletiva e outros meios de seleção artificial . A clonagem e a pesquisa com células-tronco, embora não sejam consideradas engenharia genética,[5] estão intimamente relacionadas e a engenharia genética pode ser usada dentro delas. A biologia sintética é uma disciplina emergente que leva a engenharia genética um passo adiante, introduzindo material artificialmente sintetizado a partir de matérias-primas em um organismo.

Se material genético de outra espécie é adicionado ao hospedeiro, o organismo resultante é chamado transgênico. Se o material genético da mesma espécie ou uma espécie que pode naturalmente produzir com o hospedeiro é usado o organismo resultante é chamado cisgenic.[5] A engenharia genética também pode ser usada para remover material genético do organismo alvo, criando um organismo knockout de genes. Na Europa modificação genética é sinônimo de engenharia genética, enquanto nos Estados Unidos da América, também pode se referir a métodos de reprodução convencionais. O sistema regulatório canadense é baseado em se um produto tem características novas, independentemente do método de origem. Em outras palavras, um produto é regulado como geneticamente modificado se ele carrega algum traço não encontrado previamente na espécie se foi gerado usando métodos de criação tradicionais (por exemplo, reprodução seletiva, fusão celular, criação de mutações) ou engenharia genética. Dentro da comunidade científica, o termo engenharia genética não é comumente usado; São preferidos termos mais específicos, tais como os transgénicos.