Distribuição (economia)

Em economia, distribuição se refere ao modo como se realiza a repartição da riqueza e dos bens, socialmente produzidos, entre os indivíduos e entre os diferentes segmentos de uma dada sociedade. A distribuição física de bens se dá nas relações de troca, isto é, na esfera da comercialização. A distribuição funcional consiste na repartição do produto total da economia entre os vários grupos ou classes sociais e está relacionada com a propriedade dos fatores de produção ou com o modo de partição de cada grupo (ou classe) no processo produtivo. [1]

O produto total de uma economia corresponde à soma da remuneração dos fatores de produção (trabalho, terra e capital) na forma de salários, renda da terra (aluguéis, foros etc), juros e lucros. Assim, o produto total equivale à renda total.[2]

Na teoria econômica geral e no Sistema de Contas Nacionais das Nações Unidas,[3] cada unidade de produção corresponde a uma unidade de renda. Um uso das contas nacionais é classificar as rendas dos factores de produção [4] e medir suas respectivas partes, como no produto interno bruto.

Usos descritivos, teóricos, científicos e em políticas públicas

A distribuição de renda pode descrever um elemento prospectivamente observável de uma economia. Tem sido usada para testar teorias tais como a teoria do capital humano e a teoria da discriminação econômica (Limas[5], 1993, 1971).

Na economia do bem-estar, um nível de possibilidades de produção plausível é comumente distinguido da distribuição de renda para aquelas possibilidades de produção. Mas na teoria formal do , regras para a seleção de distribuições de renda e produção plausíveis são uma forma de representar a economia normativa em um alto grau de generalidade.