Demografia da China

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Fevereiro de 2009). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
Evolução demográfica da República Popular da China.

A demografia da República Popular da China caracteriza-se por uma grande população com uma relativamente reduzida faixa etária jovem, resultado, em parte, da "política do filho único" adotada pelo país. As políticas demográficas implementadas na República Popular da China desde 1979 ajudaram a evitar 400 milhões de nascimentos extras, os quais levariam a população atual a cerca de 1,7 bilhões de habitantes. Alguns estudiosos pensam que esses dados são exagerados e que o impacto evitado foi de cerca de 50-60 milhões de nascimentos.[1]

A China é o país de maior população do mundo há muito tempo. Quando realizou seu primeiro censo, em 1953, a contagem revelou 582 milhões de habitantes; o quinto censo, de 2000, contou quase o dobro, com 1,2 bilhões de habitantes.

A começar de meados dos anos 1950, o governo chinês adotou, com variados graus de sucesso, medidas e programas de planejamento familiar e de controle populacional. O rápido crescimento demográfico chinês levou o governo a implementar uma política estrita de uma única criança por família, anunciada em 1979, segundo a qual os casais somente poderiam ter uma criança cada. Com esta medida, a China logo estabilizou-se e reduziu a taxa de fertilidade. Em 1971, as mulheres tinham uma média de 5,4 crianças, contra uma estimativa de 1,7 crianças em 2004. A fiscalização do programa, porém, variava consideravelmente, dependendo do local.

Hoje, a população continua a crescer. Há também um sério desequilíbrio de gênero. Os dados do censo de 2000 revelam que 119 meninos nasceram para cada 100 meninas, o que, em julho de 2004, levou o governo a proibir o aborto seletivo de fetos do sexo feminino. Estima-se que este desequilíbrio continuará a crescer até 2025-2030, até atingir 20%, e então passará a decrescer lentamente.

A população chinesa tem envelhecido consideravelmente; estima-se que, em 2020, 11,8% dos chineses terão 65 anos ou mais, resultado principalmente do gigantesco crescimento econômico que a China vem experimentando nos últimos anos, o que, consequentemente, eleva as condições de vida do país (mesmo que ainda de forma lenta), como no Brasil.

Grupos étnicos

Mapa etnolinguístico da China.

A República Popular da China reconhece oficialmente 56 grupos étnicos diferentes, dos quais o maior é o han, com cerca de 91,9% da população. As minorias mais expressivas são os juang (1,3%), manchus (0,86%), hui (0,79%), miao (0,72%), uigures (0,68%), yi (0,65%), tujia (0,62%), mongóis (0,47%), tibetanos (0,44%), buyi (0,26%), coreanos (0,15%) e cazaques (0,10%).

As minorias étnicas têm crescido mais acentuadamente do que a maioria han, passando de 6,1% do total em 1953 para 8,04% em 1990, 8,41% em 2000 e 9,44% em 2005. Pesquisas recentes indicam que a taxa de crescimento das minorias é cerca de sete vezes a da etnia han.