Década de 2000

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2012). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)

A década de 2000 compreende o período de tempo entre 1º de janeiro de 2000 e 31 de dezembro de 2009.

SÉCULOS:Século XXSéculo XXI — Século XXII
DÉCADAS:195019601970198020002010202020302040 • 2050
ANOS:19992000200120022003200420052006200720082009
Ataques de 11 de setembroEuroGuerra do IraqueGuerra ao TerrorMídia socialJogos Olímpicos de 2008Crise financeira de 2007–082004
A partir da esquerda, no sentido horário: A World Trade Center em chamas e a Estátua da Liberdade durante os ataques de 11 de setembro; o euro entra na moeda europeia em 2002; uma estátua de Saddam Hussein sendo derrubada durante a Guerra do Iraque; as tropas norte-americanas que dirigem em direção a um helicóptero do exército durante a Guerra ao Terror; mídias sociais através da Internet se espalham em todo o mundo; um soldado chinês olha para os Jogos Olímpicos de 2008 se iniciando; uma crise econômica, o maior desde a Grande Depressão, atinge o mundo em 2008; um tsunami do Oceano Índico após um terremoto mata mais de 250 mil pessoas no Boxing Day de 2004.

Política

Mundial

Na política internacional, este período é marcado por ações militares dos Estados Unidos em países do Oriente Médio, na chamada Guerra ao Terrorismo: Guerra do Afeganistão e Guerra do Iraque, além do apoio militar dos Estados Unidos a Israel na Segunda Guerra do Líbano e no conflito israelo-palestino. A região também foi marcada por conflitos internos, como a disputa entre os partidos Hamas e Fatah na Palestina, entre sunitas e xiitas no Iraque e entre o Talebã e líderes tribais no Afeganistão.

Os conflitos entre os Estados Unidos e o Oriente Médio foram desencadeados pelos atentados terroristas ao World Trade Center em Nova Iorque (em 11 de setembro de 2001). Iniciam-se as invasões americanas nos países do Oriente Médio e chegam ao fim as ditaduras de Saddam Hussein no Iraque e dos Talibans no Afeganistão, o que, em certo ponto, beneficiou o atual inimigo dos Estados Unidos: o Irã, pois seus piores inimigos eram a ditadura de Saddam Husseim e o regime Taliban. Os países da União Europeia passam, em sua maioria, a adotar o euro como moeda comum entre os países membros do bloco e para as transações financeiras internas, substituindo as moedas nacionais, sendo algumas exceções o Reino Unido, a Suécia e a Dinamarca, que permaneceram com suas moedas nacionais. Nos países da América Latina, onde partidos de esquerda chegam ao poder através de eleições, inicia-se também uma onda de antiamericanismo, destacando-se o bolivarianismo de Hugo Chávez, presidente venezuelano, apoiado por Evo Morales, o primeiro indígena a ser eleito presidente da Bolívia. Por outro lado, o regime socialista de Cuba - ainda liderado por Fidel Castro, já idoso e com a saúde debilitada - experimenta uma certa abertura, apesar do bloqueio à ilha. O cenário político e econômico da Rússia muda drasticamente com a chegada do centrista e conservador Vladimir Putin na presidência, sucedendo ao liberal Boris Iéltsin. As relações entre a Rússia e os Estados Unidos se intensificam. A Rússia experimenta uma onda de terrorismo após as guerras da Chechênia, que incluem a invasão do teatro Dubrokva e o massacre de Beslan. Os conflitos geopolíticos entre a Geórgia — aliada da OTAN — e a Rússia — contraria à expansão das zonas militarizadas controladas pelos EUA — culmina na Guerra da Ossétia, em 2008. A ONU aprova o Relatório Goldstone, segundo o qual o governo israelense, o exército de Israel e a organização palestina Hamas teriam possivelmente praticado crimes de guerra durante a Operação Chumbo Fundido, mas o relatório é contestado por Israel.

No Brasil

A década de 2000 ficou marcada como a década em que a esquerda política brasileira teve seu representante mais promissor eleito presidente do país, através de um legítimo processo democrático. O primeiro brasileiro operário a alcançar a presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, elegeu-se em 2002,[1] após quatro tentativas anteriores, e foi reeleito em 2006.

A reeleição do ex-presidente Fernando Collor de Mello para o Senado, pelo Estado de Alagoas, também causou polêmica.

A década de 2000 também se destacou por vários casos de corrupção, como o caso Waldomiro Diniz, o "Mensalão", escândalos envolvendo José Sarney e a governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, sobre o DETRAN, e também o Escândalo do Mensalão no Distrito Federal. A visita do Papa Bento XVI também marcou a década no Brasil, além da descoberta de petróleo na camada pré-sal, da auto-suficiência em petróleo e da produção de biocombustíveis. O Brasil ganhou destaque internacional por condenar o golpe militar em Honduras em 2009 e por receber a visita do polêmico presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, que contesta a versão oficial dos atentados de 11 de setembro e acusa os sionistas de manipular números e fatos acerca do holocausto de judeus, para chantagear a Europa e obter a criação do estado de Israel.

Líderes