Cientista

Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde outubro de 2016). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e a coerência e o rigor deste artigo.
Cientista
InvestigadoresUR.JPG

Cientistas trabalhando em um laboratório da Universidade da Rioja na Espanha

Nome
Cientistas
Tipo
Setor de atividade
Competências

Um cientista, em um sentido mais amplo, refere-se a qualquer pessoa que exerça uma atividade sistemática para obter conhecimento. Em um sentido mais restrito, cientista refere-se a indivíduos que usam o método científico.[1] Ele pode ser um especialista em uma ou mais áreas da ciência como, por exemplo, nas ciências biológicas, naturais e sociais.[2]

A principal função dos cientistas é a de realizar pesquisas com a finalidade de alcançar uma compreensão mais clara e complexa a respeito da natureza, incluindo a dimensão física, matemática e social do ambiente ou do objeto empírico analisado.

Os cientistas diferenciam-se dos filósofos, que utilizam a intuição e a lógica com a finalidade de alcançar um conhecimento acerca de aspectos intangíveis da realidade, mas que mantém uma conexão direta com a natureza. Em linhas gerais, o foco principal dos filósofos é o espaço do pensamento em si mesmo. Já os cientistas, ao contrário, utilizam métodos contra-intuitivos, uma vez que a evidência empírica e a materialidade dos fenômenos investigados são o ponto de partida de qualquer pesquisa científica. O cientista, diferente do filósofo, não se restringe à mera dimensão abstrata do pensamento. Além disso, no desempenho de suas atividades, é necessário que o objeto e os resultados da investigação possam ser constatados empiricamente por outros cientistas de uma mesma área.

Os cientistas também se diferenciam dos engenheiros, que são aqueles que desenvolvem mecanismos com propósitos práticos, aplicando, por sua vez, os conhecimentos já estabelecidos pela ciência.

Etimologia

Historicamente, os cientistas eram chamados de filósofos naturalistas ou homens de ciência',[3][4][5][6] e eram homens de conhecimento. Ciência e filosofia eram basicamente sinônimos. William Whewell cunhou o termo cientista em 1833 para descrever um especialista no estudo da natureza, mas este termo não se tornou popular até a virada do século 19.[7][8] No século XX foi adotada a noção moderna de ciência como um ramo especial da informação sobre o mundo, praticado por um grupo distinto e através de um método particular.