Antoine de Montchrestien

Antoine de Montchrestien (ou Montchrétien; 1575 — 7 ou 8 de outubro de 1621) foi um soldado, dramaturgo, aventureiro e economista francês.

Montchrestien nasceu em Falaise, Normandia. Filho de um farmacêutico chamado Mauchrestien e órfão quando jovem, Montchrestien passou à proteção de François Thésart, barão de Tournebu e dês Essarts, tornando-se criado dos filhos de Thésart (o que lhe permitiu participar de seus estudos). Ele mais casaria com a filha de Thésart, Suzanne (1618). Mais tarde em sua vida, ele também seria favorecido por Henrique II de Bourbon-Condé.

Montchrestien inicialmente buscou uma carreira literária (inspirado por François de Malherbe): em 1595 ele publicou sua primeira tragédia, Sofonisba ou La Carthaginoise. Rm 1601, ele publicou mais cinco peças: as tragédias L'Ecossaise (sobre Maria da Escócia), Les Lacènes, David ou l’Adultère, Hamã e o pastoral La Bergerie. Em 1604, ele escreveu sua tragédia Heitor (que pode não ter sido apresentada).

Montchrestien esteve envolvido em alguns duelos (ilegais na França a partir de 1602). Em 1603, ele foi deixado quase à morte. Em 1604 ou 1605, ele matou seu oponente e foi forçado a fugir para a Inglaterra temporariamente para evitar uma acusação real, mas muito provavelmente pela influência de Jaime VI da Escócia e I de Inglaterra, para quem ele dedicou sua tragédia L'Ecossaise, foi-lhe permitido voltar para a França. Ele se estabeleceu em Auxonne-sur-Loire, onde ele montou uma fábrica de fundição de aço.

Em 1615, ele publicou Traicté de l'économie politique, baseado em grande parte nas obras de Jean Bodin.[1] Na história do pensamento econômico, Foi a primeira vez que o termo 'política econômica' foi utilizado no título de um tratado. Ele desafiou a posição de Aristóteles sobre a independência da política da vida social, incluindo atividades econômicas. Ele também desenvolveu alguns elementos principais do pensamento mercantilista que viria depois, tais como o valor do uso do trabalho produtivo e a aquisição de riqueza ao promover a estabilidade política.[2] Por volta desta época, Montchrestien foi favorecido com alguns cargos oficiais (incluindo o de governador de Châtillon-sur-Loire em 1617), que foram financeiramente vantajosos, sendo que depois ele recebeu o título de barão e se casou.

Em 1620, Montchrestien juntou-se à rebelião huguenote (não há evidência de que ele compartilhava as opiniões religiosas do partido pelo qual ele lutava; anteriormente ele pertencia ao partido moderado que se reuniu em volta de Henrique IV de França) e foi forçado a lutar contra seu ex-protetor, o príncipe de Condé. Incapaz de manter a cidade de Sancerre, Montchrestien retornou à Normandia para tentar aumentar suas tropas, mas na noite de 7 de outubro de 1621 ele foi descoberto em uma pousada em Les Tourailles, perto de Falaise, e foi assassinado. Julgado postumamente, o corpo de Montchrestien foi colocado em uma roda e queimado pelo crime de lesa-majestade.

Referências

  1. Antoine de Montchrestien, 1615. Traicté de l’oeconomie politique. F. Billacois, ed., 1999, critical-edition preview.
  2. P. Bridel, 1987 [2008]. "Montchrétien, Antoyne de," The New Palgrave: A Dictionary of Economics, v. 3, p. 546 [pp.546-47].
       • Alain Béraud and Philippe Steiner, 2008. "France, economics in (before 1870)," link)].