Árvore
English: Tree

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Árvore (desambiguação).
Árvores formando um bosque.

Árvore é um vegetal de tronco lenhoso cujos ramos só saem a certa altura do solo.[1] Em termos biológicos é uma planta permanentemente lenhosa de grande porte, com raízes pivotantes, caule lenhoso do tipo tronco, que forma ramos bem acima do nível do solo e que se estendem até o ápice da raiz.

Os arbustos, além do menor porte, podem exibir ramos desde junto ao solo. Desta maneira apenas as gimnospermas e angiospermas dicotiledôneas lenhosas são consideradas espécies arbóreas.[2]

Por pequeno porte, embora não exista uma definição consensual, costuma-se entender uma altura mínima de quatro metros na maturidade, sendo uma sequoia chamada Hyperion, localizada no Parque Nacional de Redwood ao norte de São Francisco, Estados Unidos, o maior exemplar vivo conhecido no momento, possuindo 115,55m.[3]

Essa definição exclui as palmeiras, que não possuem crescimento do diâmetro de seu caule para a formação do tronco, além do mesmo também não ser ramificado. Da mesma forma exclui plantas perenes lenhosas de pequeno porte, mas que se desenvolvem como se fossem árvores em miniatura como o salgueiro-anão herbáceo (‘’Salix herbacea L.’’) e o salgueiro-anão reticulado (‘’ Salix reticulata L.’’)[4][5]

Importância das Árvores

As árvores desempenham um importante papel na produção de oxigênio, estudos demonstram que florestas antigas, equilibradas, produzem a mesma quantidade de oxigênio e gás carbônico, sendo por isso importante o plantio de novas áreas verdes, pois árvores jovens produzem mais oxigênio do que gás carbônico.[6]

Possuem ainda grande importância para a manutenção da paisagem natural, devido ao grande papel contra a erosão exercido por elas, seja graças à absorção da água das chuvas por suas raízes, uma árvore adulta pode absorver até 250 litros de água por dia, ou a grande fixação exercida ao solo por essas mesmas raízes, ou ainda a formação de barreiras contra a ação de enxurradas. Esse efeito antierosivo é de suma importância para a manutenção dos nutrientes no solo, que seriam lixiviados pela ação das chuvas, além de diminuir o efeito de assoreamento dos rios, daí a grande importância da manutenção das matas ciliares.[6]

Outro efeito benéfico ao ambiente é a facilidade da penetração da água em solos cobertos de vegetação do que em solos nus, facilitando a alimentação dos lençóis freáticos. Um benefício ligado diretamente à qualidade de vida da população está na retirada de poluentes do ar, pois no processo de transpiração das árvores as partículas de água se aderem aos poluentes que serão transportados e acumulados nas nuvens quando então cairão sob a forma de chuva.[6]

Desde os primórdios a humanidade tem utilizado as árvores em seu benefício, seja para a utilização da madeira para a construção de abrigos, obtenção de lenha, fabricação de armas e utensílios. Com o desenvolvimento de técnicas foi possível a obtenção de diversos outros produtos como a celulose (matéria-prima para a obtenção de papel), a cortiça, resinas, látex para a orientação da borracha, gomas, tanino e outros. Além do uso das espécies frutíferas para alimentação.[7]